AL discutirá com Judiciário atendimento materno-infantil em Mossoró

A saúde pública voltou a ser tema de debate na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte. Por iniciativa do deputado Souza Neto (PHS), representantes do Governo do Estado, Defensoria Público e dos servidores da área de saúde do Rio Grande do Norte debateram a situação da política materno-infantil na região Oeste do estado. O caso central da discussão foi o fechamento do Hospital da Mulher, em Mossoró, e como está o atendimento à população da região.
"Nosso objetivo é discutir a situação e saber qual a realidade do momento. O que todos querem, e nós também, é garantir atendimento digno à população de Mossoró e de toda a região, inclusive de Areia Branca, que é a minha cidade", explicou Souza Neto.
O Hospital da Mulher “Parteira Maria Correia” está fechado desde dezembro e, com isso, equipamentos foram transferidos para a Casa de Saúde Dix-sept Rosado/Maternidade Almeida Castro, complexo administrado por interventores judiciais após a decisão judicial pelo fechamento da unidade. Segundo o secretário de Saúde do Rio Grande do Norte, George Antunes, é preciso que se analise a situação em Mossoró antes de se cobrar a reabertura do Hospital da Mulher.
De acordo com Antunes, o Governo tem buscado a descentralização dos atendimentos de Saúde e cobrado a participação efetiva dos demais entes, inclusive dos municípios, mesmo aceitando que o Governo do Estado tem a obrigação de colaborar com as ações e condições para o atendimento à população. Para ele, Mossoró tem condições de suprir a demanda.
"Sempre estamos à disposição para conversar e analisar o que for melhor à população, mas estamos agindo de acordo com decisão judicial e a população tem recebido o atendimento", disse Antunes.
Em comunicado encaminhado ao deputado Souza Neto, a Junta de Intervenção do Hospital Maternidade Almeida Castro disse que a unidade restaurou os atendimentos desde setembro de 2014, quando teve início a intervenção no local. Atualmente, 170 leitos funcionam no hospital, sendo que 43 de atenção especial ao recém-nascido prematuro, com baixo peso e ou qualquer outra patologia. No hosptal, foram realizados 8.105 partos entre 1º de outubro de 2014 a 22 de outubro de 2016, sendo 45% destes partos de Mossoró e os outros 55% dos municípios vizinhos e do Ceará.
Apesar da posição do secretário e do comunicado sobre a situação do atendimento materno-infantil em Mossoró, o deputado Souza Neto ouviu apelos durante a audiência de profissionais que atuam na área que cobraram a reabertura do Hospital da Mulher. A Defensoria Pública do Rio Grande do Norte, inclusive, é uma das partes que defende a abertura e ampliação do atendimento. Para Souza Neto, é preciso se rediscutir o caso e buscar a participação do Poder Judiciário para se chegar à melhor alternativa para a população de Mossoró.
"A Defensoria Pública já está questionando o caso e vamos buscar ter novos encontros, dessa vez com a Justiça, para saber qual o pensamento deles sobre a questão e analisar como é a real situação do atendimento materno-infantil em Mossoró. O que temos que fazer é garantir o atendimento à população", disse o deputado.
Portal Assembleia Legislativa do RN
AL discutirá com Judiciário atendimento materno-infantil em Mossoró AL discutirá com Judiciário atendimento materno-infantil em Mossoró Reviewed by Ricardo Adriano on outubro 31, 2016 Rating: 5

Nenhum comentário

Teste Teste Teste Teste

Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste