Médica acusada de matar pacientes em UTI pode ir a júri popular em Curitiba

Médica acusada de matar pacientes em UTI do Hospital Evangélico de Curitiba deixa prisão no PR
O Ministério Público Estadual do Paraná pediu que vá a júri popular a ex-chefe da unidade de terapia intensiva do Hospital Evangélico de Curitiba, Virgínia Helena Soares de Souza, e mais cinco dos oito acusados de provocar a morte de sete pacientes, entre 2011 e 2013. Eles são acusados de homicídio doloso duplamente qualificado e formação de quadrilha.

Além de Virgínia, foram denunciados os médicos Edison Anselmo da Silva Júnior, Maria Israela Cortez Boccato e Anderson de Freitas e as enfermeiras Laís da Rosa Groff e Patrícia Cristina de Goveia Ribeiro. Os episódios suspeitos vieram à tona em 2013, após investigação da Polícia Civil.

A médica Virgínia de Souza, em entrevistas anteriores à imprensa sempre negou as acusações. "Nunca abreviei a vida de ninguém". Ela chegou a ser presa no dia 19 de fevereiro de 2013, ficou quase um mês detida e foi solta um mês depois. Ela pode trabalhar, mas cumpre uma medida cautelar que a impede de atuar em UTIs.

Médica acusada de matar pacientes em UTI pode ir a júri popular em Curitiba Médica acusada de matar pacientes em UTI pode ir a júri popular em Curitiba Reviewed by Ricardo Adriano on outubro 24, 2016 Rating: 5

Nenhum comentário

Teste Teste Teste Teste

Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste