Liturgia da Palavra de hoje (18)

Primeira Leitura (Ap 10, 8-11)
Leitura do Livro do Apocalipse de São João.
8Aquela mesma voz do céu, que eu, João, já tinha ouvido, tornou a falar comigo: “Vai. Pega o livrinho aberto da mão do anjo que está de pé sobre o mar e a terra”. 9Eu fui até o anjo e pedi que me entregasse o livrinho. Ele me falou: “Pega e come. Será amargo no estômago, mas na tua boca, será doce como mel”. 10Peguei da mão do anjo o livrinho e comi-o. Na boca era doce como mel, mas quando o engoli, meu estômago tornou-se amargo. 11Então ele me disse: “Deves profetizar ainda contra outros povos e nações, línguas e reis”. 
— Palavra do Senhor.
— Graças a Deus.

Primeira Leitura (At 28,11-16.30-31)

Leitura dos Atos dos Apóstolos.
11Depois de três meses, embarcamos num navio alexandrino, que passara o inverno na ilha de Malta e tinha como emblema os Dióscuros. 12Fizemos escala em Siracusa e aí permanecemos três dias. 13Depois, costeando, chegamos a Régio. No dia seguinte, levantou-se o vento sul e, em dois dias, chegamos a Putéoli.14Aí encontramos alguns irmãos que nos pediram para ficar sete dias com eles. Em seguida, fomos para Roma. 15Os irmãos de Roma, informados a nosso respeito, vieram receber-nos no Foro Ápio e Três Tabernas. Ao vê-los, Paulo deu graças a Deus e sentiu-se animado. 16Quando entramos em Roma, Paulo recebeu permissão para morar em casa particular, com um soldado que o vigiava. 30Paulo morou dois anos numa casa alugada. Ele recebia todos os que o procuravam, 31pregando o Reino de Deus. Com toda a coragem e sem obstáculos, ele ensinava as coisas que se referiam ao Senhor Jesus Cristo.

- Palavra do Senhor.
- Graças a Deus.

Responsório (Sl 118)
— Como é doce ao paladar vossa palavra, ó Senhor!
— Como é doce ao paladar vossa palavra, ó Senhor!
— Seguindo vossa lei me rejubilo muito mais do que em todas as riquezas.
— Minha alegria é a vossa Aliança, meus conselheiros são os vossos mandamentos.
— A lei de vossa boca, para mim, vale mais do que milhões em ouro e prata.
— Como é doce ao paladar vossa palavra, muito mais doce do que o mel na minha boca!
— Vossa palavra é minha herança para sempre, porque é ela que me alegra o coração!
— Abro a boca e aspiro largamente, pois estou ávido de vossos mandamentos.
Evangelho (Lc 19,45-48)
— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.
Naquele tempo, 45Jesus entrou no Templo e começou a expulsar os vendedores. 46E disse: “Está escrito: ‘Minha casa será casa de oração’. No entanto, vós fizestes dela um antro de ladrões”. 47Jesus ensinava todos os dias no Templo. Os sumos sacerdotes, os mestres da Lei e os notáveis do povo procuravam modo de matá-lo. 48Mas não sabiam o que fazer, porque o povo todo ficava fascinado quando ouvia Jesus falar.
— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.
Evangelho (Mt 14,22-33)
Depois que a multidão comera fartamente, 22Jesus mandou que os discípulos entrassem na barca e seguissem, à sua frente, para o outro lado do mar, enquanto ele despediria as multidões. 23Depois de despedi-las, Jesus subiu ao monte, para orar a sós. A noite chegou, e Jesus continuava ali, sozinho. 24A barca, porém, já longe da terra era agitada pelas ondas, pois o vento era contrário. 25Pelas três horas da manhã, Jesus veio até os discípulos, andando sobre o mar. 26Quando os discípulos o avistaram, andando sobre o mar, ficaram apavorados, e disseram: “É um fantasma”. E gritaram de medo. 27Jesus, porém, logo lhes disse: “Coragem! Sou eu. Não tenhais medo!” 28Então Pedro lhe disse: “Senhor, se és tu, manda-me ir ao teu encontro, caminhando sobre a água.” 29E Jesus respondeu: “Vem!” Pedro desceu da barca e começou a andar sobre a água, em direção a Jesus. 30Mas, quando sentiu o vento, ficou com medo e, começando a afundar, gritou: “Senhor, salva-me!” 31Jesus logo estendeu a mão, segurou Pedro, e lhe disse: “Homem fraco na fé, por que duvidaste?” 32Assim que subiram na barca, o vento se acalmou. 33Os que estavam na barca, prostraram-se diante dele, dizendo: “Verdadeiramente, tu és o Filho de Deus!”

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

Homilia
Hoje, estamos em sintonia com as Basílicas de São Pedro e São Paulo, em Roma. Duas igrejas históricas com um significado muito singular para a história da Igreja e para toda a humanidade.
Pedro e Paulo são dois apóstolos colunas da Igreja, fundamentais para a expansão do cristianismo, para a firmeza de fé que temos no seguimento de Jesus Cristo. Esses dois apóstolos foram grandes heróis na fé, escolhidos por Deus, e com o próprio sangue testemunharam a fé.
Quando nos referimos às duas basílicas, sejam elas de Pedro ou de Paulo, além da referência que fazemos a esses dois apóstolos, queremos lembrar o lugar que as igrejas têm para a nossa fé. Cada igreja é um templo, e o templo é o lugar da presença de Deus.
O que buscamos quando vamos ao templo? O que buscamos quando vamos às igrejas, capelas e santuários? Acima de tudo, santificar este santuário que somos nós. Somos santuários de Deus por excelência!
É bom lembrar que assim que nascemos, nossos pais levam-nos à igreja para sermos batizados; não é um ritual simplesmente do acaso ou qualquer ritual, mas, acima de tudo, uma consagração, uma entrega.
Veja que, no ritual do batismo, está prevista tanto a unção do Óleo do Crisma quanto a unção com o Óleo dos Catecúmenos. São óleos de consagração, que infundem em nós a marca de Deus. Todo batizado é um consagrado, um habitat natural da graça de Deus. Eu e você, como batizados, temos de nos lembrar: Deus habita em nós! Precisamos assumir que aquilo que se realiza na igreja, realiza-se primeiro no coração de cada um de nós.
E que zelo precisamos ter para com a casa de Deus! Que zelo precisamos ter para com o nosso coração!
Quando falamos em igreja, podemos olhar nos símbolos que existem por aí, são sempre aquelas mãos juntinhas que nos recordam a oração, porque a igreja é casa de oração. Jesus está dizendo a respeito do templo: “Minha casa será casa de oração. No entanto, vós fizestes dela um antro de ladrões”. O templo ao qual Jesus se refere tornou-se um lugar de comércio, extraviou a função dele. Aquele templo foi destruído, mas hoje temos dele apenas ruínas e lembranças.
Não permitamos que esse templo que somos nós, seja destruído. Esse templo é para se juntar ao templo eterno de Deus, quando vivermos para sempre na eternidade. Não deixe que esse templo seja corrompido, perdido, extraviado; não deixe que as impurezas tomem conta desse lugar. Santifiquemos o nosso coração!
O caminho, por excelência, para santificar o santuário que somos cada um de nós é a via da oração. É preciso que tenhamos um coração orante, em consonância com Deus, em união com Ele, um coração que fale com o Senhor.
Uma igreja que não vive, não pratica a oração, onde as pessoas não rezam, não se encontram com Deus, perde a razão de ser; devo dizer que essa igreja não serve para nada.
É triste ver muitas igrejas que viraram outras coisas e não são mais casas de oração. Não deixe que esse lugar sagrado que somos nós, desvie de sua rota, mas que nós sejamos o lugar da morada de Deus, que sejamos seres orantes em profunda comunhão com Ele.
Deus abençoe você!
Liturgia da Palavra de hoje (18) Liturgia da Palavra de hoje (18) Reviewed by Paulo Roberto on novembro 18, 2016 Rating: 5

Nenhum comentário

Teste Teste Teste Teste

Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste