Liturgia da Palavra de hoje (25)

Primeira Leitura (Ap 20,1-4.11– 21,2)
Leitura do Livro do Apocalipse de São João.
Eu, João, 20,1vi um anjo descer do céu. Nas mãos tinha a chave do Abismo e uma grande corrente. 2Ele agarrou o Dragão, a antiga Serpente, que é o Diabo, Satanás. Acorrentou-o por mil anos 3e lançou-o dentro do Abismo. Depois, trancou e lacrou o Abismo, para que o Dragão não seduzisse mais as nações da terra, até que terminassem os mil anos. Depois dos mil anos, o Dragão deve ser solto, mas por pouco tempo.
4Vi então tronos, e os seus ocupantes sentaram-se e receberam o poder de julgar. Vi também as almas daqueles que foram decapitados por causa do Testemunho de Jesus e da Palavra de Deus e aqueles que não tinham adorado a besta, nem a imagem dela, nem tinham recebido na fronte ou na mão a marca da besta. Eles voltaram a viver, para reinar com Cristo durante mil anos.
11Vi ainda um grande trono branco e aquele que estava sentado nele. O céu e a terra fugiram da sua presença e não se achou mais o lugar deles. 12Vi também os mortos, os grandes e os pequenos, em pé diante do trono. Foram abertos livros, e mais um outro livro ainda: o livro da vida. Então foram julgados os mortos, de acordo com sua conduta, conforme está escrito nos livros.
13O mar devolveu os mortos que se encontravam nele. A morte e a morada dos mortos entregaram de volta os seus mortos. E cada um foi julgado conforme sua conduta. 14A morte e a morada dos mortos foram então lançados no lago de fogo. Esta é a segunda morte: o lago de fogo. 15Quem não tinha o seu nome escrito no livro da vida foi também lançado no lago de fogo. 21,1Vi então um novo céu e uma nova terra. Pois o primeiro céu e a primeira terra passaram, e o mar já não existe. 2Vi a cidade santa, a nova Jerusalém, que descia do céu, de junto de Deus, vestida qual esposa enfeitada para o seu marido.

- Palavra do Senhor.
- Graças a Deus.

Responsório (Sl 83)
— Eis a tenda de Deus, no meio do povo!
— Eis a tenda de Deus no meio do povo!
— Minha alma desfalece de saudades e anseia pelos átrios do Senhor! Meu coração e minha carne rejubilam e exultam de alegria no Deus vivo!
— Mesmo o pardal encontra abrigo em vossa casa, e a andorinha ali prepara o seu ninho, para nele seus filhotes colocar: vossos altares, ó Senhor Deus do universo! Vossos altares, ó meu Rei e meu Senhor!
— Felizes os que habitam vossa casa; para sempre haverão de vos louvar! Felizes os que em vós têm sua força, caminharão com um ardor sempre crescente.

Evangelho (Lc 21,29-33)
— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.
Naquele tempo, 29Jesus contou-lhes uma parábola: “Olhai a figueira e todas as árvores. 30Quando vedes que elas estão dando brotos, logo sabeis que o verão está perto. 31Vós também, quando virdes acontecer essas coisas, ficai sabendo que o Reino de Deus está perto. 32Em verdade, eu vos digo: tudo isso vai acontecer antes que passe esta geração. 33O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não hão de passar.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

Homilia
É tão bom ver a sabedoria do homem do campo, sabedoria das pessoas simples que sabem distinguir os sinais dos tempos! A sabedoria da dona de casa, que olha para as nuvens e sabe se a chuva vem ou não, do plantador que sabe quando o tempo está propício ou não para plantar, para regar e colher.
A natureza tem uma lógica, tem um fio condutor, e é nossa obrigação saber lidar com a natureza que está ao nosso lado. Saber quando terá ou não chuva, quando teremos relâmpagos e trovões. A natureza dá seus sinais.
A sabedoria humana é, justamente, saber lidar com a natureza bela na qual estamos vivendo; a sabedoria que rege essa casa onde vivemos, que é o planeta terra. Precisamos de sabedoria para lidar com a nossa natureza interior, com a nossa própria vida!
Veja, a mulher tem sabedoria, desde menina, para saber lidar com a natureza do seu corpo. Quando chega a época da menstruação, há um sinal, um significado maravilhoso para a natureza feminina! E assim os outros sinais que vamos olhando no nosso próprio corpo, na nossa própria vida.
Primeiro, não precisamos  agredir a mãe natureza, seja a natureza que está fora, seja a que está aqui dentro de nós. Precisamos saber lidar com cada coisa, com a sabedoria necessária, porque foi por não saber lidar com a natureza, por agredi-la ou não respeitá-la, que experimentamos, em toda história, desastres enormes desse confronto do homem com a natureza.
Com a nossa natureza humana é do mesmo jeito, temos de saber respeitar e cuidar da nossa natureza. Vai da alimentação que temos, do jeito que procedemos com a nossa vida, uma vida ociosa ou proativa. A natureza não aguenta ficar parada, estagnada, mas também não aguenta os excessos que, muitas vezes, impõe sobre ela.
Desse modo, quando a Palavra de Deus nos chama a ter um discernimento, está querendo nos levar a ter essa sabedoria. Se soubermos lidar com essa natureza de fora, com a natureza que está dentro de nós, saberemos entender também a dinâmica do Reino de Deus, que se manifesta no meio de nós.
O Reino de Deus é dinâmico, não é estático. Nós queremos tudo pronto, queremos uma coisa comprada ali no freezer e só esquentamos, mas com Deus não é assim! Se não nos abrirmos à dinâmica da vida, não entenderemos a dinâmica do Reino de Deus no meio de nós. De quanta sabedoria carece o mundo, a nossa Igreja, a nossa fé, o nosso seguimento!
Que Deus nos dê sabedoria, discernimento e aplicação para sabermos distinguir os sinais do tempo, da natureza humana e divina, e toda natureza que nos cerca!
Deus abençoe você!
Liturgia da Palavra de hoje (25) Liturgia da Palavra de hoje (25) Reviewed by Ricardo Adriano on novembro 25, 2016 Rating: 5

Nenhum comentário

Teste Teste Teste Teste

Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste