Polícia Federal informa ao Ministério da Justiça que Calero gravou Temer, Geddel e Padilha

Depois de ser acolhido no governo, Calero deixa ministério com acusações à cúpula do Planalto
A Polícia Federal encaminhou ao Ministério da Justiça a informação de que o ex-ministro da Cultura Marcelo Calero deixou em poder do órgão gravações de conversas que teve com o presidente Michel Temer e dois de seus principais ministros – Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo) e Eliseu Padilha (Casa Civil). Segundo o blogdo jornalista Kennedy Alencar, um auxiliar de Padilha também foi gravado. Os diálogos constam do depoimento que a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, encaminhou nesta quinta-feira (24) à Procuradoria-Geral da República (PGR). Nele, Calero acusa Geddel e Temer de pressioná-lo para liberar a obra de um edifício em Salvador (BA), em uma área tombada como patrimônio histórico. No prédio, Geddel possui um apartamento de luxo.
No depoimento, Calero diz que o presidente Temer o “enquadrou” no sentido de encontrar uma “saída” para a liberação do empreendimento. Com os desdobramentos do caso Geddel, observa Kennedy, a crise adentra o gabinete presidencial. O titular da Secretaria de Governo queria a liberação do prédio de 30 andares em que uma unidade custa entre R$ 2,6 milhões e R$ 4,7 milhões, como este site mostrou no último sábado (19).
No depoimento, Calero detalha a mencionada pressão de Temer e a “irritação” de Geddel. “[O depoente declara] que na quinta, 17, o depoente foi convocado pelo presidente Michel Temer a comparecer no Palácio do Planalto; que nesta reunião o presidente disse ao depoente que a decisão do Iphan havia criado ‘dificuldades operacionais’ em seu gabinete, posto que o ministro Geddel encontrava-se bastante irritado; que então o presidente disse ao depoente para que construísse uma saída para que o processo fosse encaminhado à AGU [Advocacia-Geral da União], porque a ministra Grace Mendonça teria uma solução”, diz o ex-ministro, em transcrição encaminhada ao Supremo, em seguida encaminhada por Cármen à PGR.
Na sequência do depoimento, Calero diz que o presidente encarava com naturalidade o fato de Geddel pressioná-lo para obter proveito particular. O jornal lembra que Geddel é o principal articulador político na gestão Temer e é amigo do peeemedebista há mais de duas décadas. “Que, no final da conversa, o presidente disse ao depoente ‘que a política tinha dessas coisas, esse tipo de pressão’”, registra a PF em outro trecho do depoimento. O ex-ministro da Cultura diz ainda ter se sentido “decepcionado” com a postura de Temer, por tê-lo “enquadrado”, de maneira que “sua única saída foi apresentar seu pedido de demissão”.
Depois das novas revelações, a oposição ao governo Temer já começou a articular um pedido de impeachment contra o peemedebista. Para Lindbergh Farias (PT-RJ), que iniciou as movimentações com a colega Gleisi Hoffmann (PT-PR), “é bizarro um presidente da República utilizar seu cargo para defender interesses de um ministro”.
Questão de hábito
Ainda segundo Kennedy, interlocutores de Temer ouviram que o presidente sugeriu o envio do caso à Advocacia-Geral da União (AGU) depois de Calero ter dito que não tomaria providências. Nesse sentido, avalia o jornalista, “quando há embates entre ministérios e órgãos do governo a respeito de uma política pública ou de uma autorização federal, é natural que se peça um posicionamento à AGU”.
“Aliados de Temer defenderam o presidente, sustentando que ele não pressionou Calero e não tem o hábito de agir assim”, finaliza o jornalista.
Polícia Federal informa ao Ministério da Justiça que Calero gravou Temer, Geddel e Padilha Polícia Federal informa ao Ministério da Justiça que Calero gravou Temer, Geddel e Padilha Reviewed by Ricardo Adriano on novembro 25, 2016 Rating: 5

Nenhum comentário

Teste Teste Teste Teste

Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste