Seminário marca início de projeto de apoio a crianças com microcefalia

Com um seminário que tratou sobre saúde mental e distúrbios do desenvolvimento, a Assembleia Legislativa deu início nesta segunda-feira (7) ao projeto ‘Quebrando Mitos’, lançado com o objetivo de garantir direitos e apoio à portadores de patologias, síndromes e transtornos do neurodesenvolvimento, como microcefalia e autismo. A ação foi direcionada a profissionais da saúde e educação e traçou um paralelo entre as legislações em vigor no Brasil e nos Estados Unidos, país referência no tema.
“O presidente da Casa, deputado Ezequiel Ferreira, abraçou a causa e permitiu o lançamento deste nobre programa. Hoje realizamos a primeira etapa do projeto e vamos adiante, com muito empenho, para as etapas subsequentes, atuando em favor da inclusão social dos portadores de doenças mentais”, disse o coordenador do setor de saúde da Assembleia, Ricardo Fonseca.
A psicóloga e analista de comportamento Maria América Andrade abriu o seminário com uma apresentação que abordou os direitos das pessoas com deficiência e autismo, com foco no acesso à educação. A palestrante relatou a sua experiência ao longo dos 20 anos em que atuou em instituições americanas. “É ingênuo imaginar que nossa legislação já ofereça todas as provisões necessárias para garantir a educação da pessoa com autismo, ou deficiências e transtornos de desenvolvimento”, avalia.
De acordo com a psicóloga, é necessário ampliar o debate sobre os direitos da pessoas com deficiência. “Precisamos discutir o que é direito a educação, educação inclusiva, educação individualizada e como podemos fazer dela um direito da pessoa com deficiência e da pessoa com transtorno de desenvolvimento”, defende Maria América.
A segunda palestra foi proferida pela defensora pública do Estado de São Paulo, Renata Tibiryça, doutoranda em distúrbios do desenvolvimento. A especialista fez um comparativo entre as leis em vigor nos Estados Unidos e no Brasil. “O debate dos direitos à pessoa com deficiência é fundamental para a construção de políticas públicas efetivas de inclusão social, e estas devem ser pensadas de forma intersetorial”, avalia Renata.
Ao final do seminário o secretário geral da Casa, Augusto Carlos Viveiros, parabenizou o setor de saúde pela iniciativa e reforçou a sua importância. “Esse seminário faz com que a gente conheça e quebre mitos ainda existentes em favor de uma sociedade mais justa e mais plena”, declarou ele.
Crianças de 0 a 48 meses serão beneficiadas pelo projeto da Assembleia Legislativa, que terá duração de dois anos. A ação será levada para o interior do Estado através da capacitação e treinamento de profissionais das áreas de educação e saúde.
Portal Assembleia Legislativa do RN
Seminário marca início de projeto de apoio a crianças com microcefalia Seminário marca início de projeto de apoio a crianças com microcefalia Reviewed by Ricardo Adriano on novembro 07, 2016 Rating: 5

Nenhum comentário

Teste Teste Teste Teste

Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste