Atrito com parceira faz Palmeiras ter calma em negociações por reforços

Galiotte espera resolver impasse para abrir cofres do clube (Foto: Cesar Greco/Ag.Palmeiras/Divulgação)

Impasse político com Leila Pereira, dona da Crefisa e da FAM, e incerteza sobre renovação de patrocínio fazem clube esperar para dar passo final em negócios.

 A ordem dada ao departamento de futebol do Palmeiras com relação a grandes reforços é manter conversas e esperar sinal verde. A nova diretoria, agora chefiada pelo presidente recém-eleito Maurício Galiotte, não autorizará que se bata qualquer martelo até esclarecer a situação com o patrocinador.

"Desejo de Maurício Galiotte, eleito presidente em novembro, é buscar alguém de peso para ocupar o lugar do atacante Gabriel Jesus, negociado com o Manchester City".

 Até o final da semana passada, a renovação do contrato com a Crefisa e FAM, que se encerra no fim de janeiro, era tida como certa. Mas a contestação da candidatura de Leila Pereira (presidente das empresas) ao Conselho Deliberativo do clube, em eleição marcada para 11 de fevereiro, deixou o cenário aberto. 

Em 2016, além de pagar R$ 66 milhões para estampar as marcas no uniforme do time, a parceira bancou também os custos com o atacante Lucas Barrios – algo em torno de R$ 1 milhão ao mês. As empresas de Leila Pereira também ajudaram o clube recentemente na contratação de outros dois jogadores: o zagueiro Vitor Hugo e o volante Thiago Santos.

A renovação do patrocínio, que até então parecia questão de tempo, daria conforto financeiro para o Palmeiras buscar grandes nomes no mercado. Até aqui, o clube anunciou o técnico Eduardo Baptista, o atacante Keno e os meias Raphael Veiga e Hyoran. Nomes de certo destaque na última temporada, mas que não são estrelas nem mesmo unanimidades.

O desejo do novo presidente é anunciar um reforço de peso, em especial para suprir a ausência de Gabriel Jesus. O dinheiro da venda ao Manchester City (R$ 121 milhões), a propósito, é uma das alternativas para minimizar, ao menos de imediato, eventual saída do patrocinador.

A tentativa de Leila Pereira de ingressar no Conselho tem sido questionada no clube porque uma averiguação (realizada a pedido de Paulo Nobre, antecessor de Maurício Galiotte na presidência) teria descoberto que a empresária pertence ao quadro de associados há menos de oito anos (tempo mínimo exigido pelo estatuto) e estaria usando outra matrícula.


Por São Paulo
Atrito com parceira faz Palmeiras ter calma em negociações por reforços Atrito com parceira faz Palmeiras ter calma em negociações por reforços Reviewed by Paulo Roberto on dezembro 21, 2016 Rating: 5

Nenhum comentário

Teste Teste Teste Teste

Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste