Liturgia da Palavra de hoje (19)

Primeira Leitura (Jz 13,2-7.24-25a)
Leitura do Livro dos Juízes.
Naqueles dias, 2havia um homem de Saraá, da tribo de Dã, chamado Manué, cuja mulher era estéril. 3O anjo do Senhor apareceu à mulher e disse-lhe: “Tu és estéril e não tiveste filhos, mas conceberás e darás à luz um filho. 4Toma cuidado de não beberes vinho nem licor, de não comeres coisa alguma impura, 5pois conceberás e darás à luz um filho. Sua cabeça não será tocada por navalha, porque ele será consagrado ao Senhor desde o ventre materno, e começará a libertar Israel das mãos dos filisteus”. 6A mulher foi dizer ao marido: “Veio visitar-me um homem de Deus, cujo aspecto era terrível como o de um anjo do Senhor. Não lhe perguntei de onde vinha nem ele me revelou o seu nome. 7Ele disse-me: ‘Conceberás e darás à luz um filho. De hoje em diante, toma cuidado para não beberes vinho nem licor, e não comeres nada de impuro, pois o menino será consagrado a Deus, desde o ventre materno até o dia da sua morte’”. 24Ela deu à luz um filho e deu-lhe o nome de Sansão. O menino cresceu, e o Senhor o abençoou. 25aO espírito do Senhor começou a agir nele no Campo de Dã.

- Palavra do Senhor.
- Graças a Deus.

Responsório (Sl 70)
— Minha boca se encha de louvor, para que eu cante vossa glória.
— Minha boca se encha de louvor, para que eu cante vossa glória.
— Sede uma rocha protetora para mim, um abrigo bem seguro que me salve! Porque sois a minha força e meu amparo, o meu refúgio, proteção e segurança! Libertai-me, ó meu Deus, das mãos do ímpio.
— Porque sois, ó Senhor Deus, minha esperança, em vós confio desde a minha juventude! Sois meu apoio desde antes que eu nascesse, desde o seio maternal, o meu amparo.
— Cantarei vossos portentos, ó Senhor, lembrarei vossa justiça sem igual! Vós me ensinastes desde a minha juventude e até hoje canto as vossas maravilhas.

Evangelho (Lc 1,5-25)
— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.

5Nos dias de Herodes, rei da Judeia, vivia um sacerdote chamado Zacarias, do grupo de Abia. Sua esposa era descendente de Aarão e chamava-se Isabel. 6Ambos eram justos diante de Deus e obedeciam fielmente a todos os mandamentos e ordens do Senhor. 7Não tinham filhos, porque Isabel era estéril, e os dois já eram de idade avançada.
8Em certa ocasião, Zacarias estava exercendo as funções sacerdotais no Templo, pois era a vez do seu grupo. 9Conforme o costume dos sacerdotes, ele foi sorteado para entrar no Santuário, e fazer a oferta do incenso. 10Toda a assembleia do povo estava do lado de fora rezando, enquanto o incenso estava sendo oferecido.
11Então apareceu-lhe o anjo do Senhor, de pé, à direita do altar do incenso. 12Ao vê-lo, Zacarias ficou perturbado e o temor apoderou-se dele. 13Mas o anjo disse: “Não tenhas medo, Zacarias, porque Deus ouviu tua súplica. Tua esposa, Isabel, vai ter um filho, e tu lhe darás o nome de João. 14Tu ficarás alegre e feliz, e muita gente se alegrará com o nascimento do menino, 15porque ele vai ser grande diante do Senhor. Não beberá vinho nem bebida fermentada e, desde o ventre materno, ficará repleto do Espírito Santo. 16Ele reconduzirá muitos do povo de Israel ao Senhor seu Deus. 17E há de caminhar à frente deles, com o espírito e o poder de Elias, a fim de converter os corações dos pais aos filhos, e os rebeldes à sabedoria dos justos, preparando para o Senhor um povo bem disposto”.
18Então Zacarias perguntou ao anjo: “Como terei certeza disto? Sou velho e minha mulher é de idade avançada”. 19O anjo respondeu-lhe: “Eu sou Gabriel. Estou sempre na presença de Deus, e fui enviado para dar-te esta boa notícia. 20Eis que ficarás mudo e não poderás falar, até o dia em que essas coisas acontecerem, porque não acreditaste nas minhas palavras, que se hão de cumprir no tempo certo”.
21O povo estava esperando Zacarias, e admirava-se com a demora no Santuário. 22Quando saiu, não podia falar-lhes. E compreenderam que ele tinha tido uma visão no Santuário. Zacarias falava por sinais e continuava mudo.
23Depois que terminou seus dias de serviço no Santuário, Zacarias voltou para casa. 24Algum tempo depois, sua esposa Isabel ficou grávida, e escondeu-se durante cinco meses. 25Ela dizia: “Eis o que o Senhor fez por mim, nos dias em que ele se dignou tirar-me da humilhação pública!”

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

Homilia
Na Liturgia da Palavra, que vem hoje ao nosso encontro, nessa preparação muito próxima do Natal de Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, estamos acompanhando a presença dos anjos no nosso meio.
Os anjos de Deus estão no meio de nós! Seja o anjo que vai anunciar o nascimento de Sansão ou o anjo que se manifesta a Zacarias para anunciar o nascimento de João Batista. É claro que os anjos não andam aparecendo aqui ou acolá; eles aparecem como sinais de intervenções extraordinárias de Deus na história da humanidade. Eles são presenças de Deus no meio de nós, e estamos cercados por anjos que estão no nosso caminho!
Os anjos de Deus vêm, na verdade, preparar a presença do Senhor no meio de nós. A primeira coisa que o anjo traz é a presença divina: “Não tenhais medo!”. Zacarias era um homem de Deus, profundamente temente a Ele, e esperava a intervenção do Senhor em sua vida. A esposa, de idade avançada como ele, sentia-se triste e infeliz pelo fato de ser estéril.
Sabe, meus irmãos, toda intervenção de Deus em nossa vida é para vencer a nossa esterilidade. É muito mais do que uma esterilidade física ou a incapacidade de alguém gerar filhos.
Na época bíblica, sobretudo em períodos anteriores,  [a esterilidade] era vista como uma maldição, como uma coisa negativa, mas quando Deus intervém nessas histórias é para, primeiro, manifestar o Seu poder, para dizer que nada é impossível para Ele, sobretudo para nos mostrar que Ele nos quer produzindo muitos e bons frutos.
É verdade que ter filhos é uma bênção, principalmente quando os pais realmente os criam para ser uma bênção, para que sejam dom e graça de Deus. É preciso que, antes do nascimento, na concepção dos filhos, os pais reconheçam que eles são dádivas e dom de Deus. É preciso cuidar das nossas crianças, para que sejam para a humanidade um sinal da presença amorosa do Senhor no meio de nós.
Quando o anjo vem anunciar o nascimento, é o que acontece com cada mulher quando descobre que está grávida. Por mais que leve um susto inicial ou que seja uma alegria imensa, receba a sua gravidez como dom de Deus! Digo mais: mesmo aquela mulher que não pode gerar um filho das suas próprias entranhas, é uma mulher abençoada, é feliz, porque se abre para o dom da vida, seja vindo dela ou adotando uma criança, cuidando de outras crianças.
O que precisamos fazer é cuidar bem dos dons de Deus que se manifestam no meio de nós! Não tenhamos medo, meus irmãos, pelo contrário, tenhamos coragem e ousadia. Jesus nasceu para salvar a humanidade, e nós O ajudamos a também salvar essa humanidade quando cuidamos dessas crianças, quando as entregarmos para Ele, quando entregamos os nossos filhos para que, desde o momento da sua concepção, sejam abençoados, cuidados, sejam ensinados a seguir os caminhos do Senhor.
Se há algo muito minucioso aqui na história de Sansão ou Zacarias, é que seus pais eram tementes a Deus. Homens e mulheres tementes a Deus geram filhos abençoados para este mundo!
Deus abençoe você!
Liturgia da Palavra de hoje (19) Liturgia da Palavra de hoje (19) Reviewed by Ricardo Adriano on dezembro 19, 2016 Rating: 5

Nenhum comentário

Teste Teste Teste Teste

Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste