• Notícias de Última Hora

    sábado, 31 de dezembro de 2016

    PM confessa morte de embaixador grego, diz polícia; Justiça decreta prisão de envolvidos

    Françoise Amiridis, mulher do diplomata, chega à delegacia em Belford Roxo (RJ)
    Em entrevista coletiva realizada na noite desta sexta-feira (30), o delegado Evaristo Pontes Magalhães, da DHBF (Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense), disse que o policial militar Sérgio Gomes Moreira Filho, 29, e seu primo, Eduardo Moreira de Melo, 24, confessaram ter matado o embaixador da Grécia no Brasil, Kyriakos Amiridis. O crime ocorreu na noite de segunda (26), em Nova Iguaçu.
    Em seu depoimento, Eduardo afirmou que a mulher do embaixador, Françoise Amiridis, 40, não participou da execução, mas teria encomendado o crime por R$ 80 mil, "se tudo desse certo". O valor seria pago 30 dias depois.
    A Justiça do Rio, segundo o delegado, decretou na noite de hoje a prisão temporária da mulher do embaixador, do policial militar e de seu primo, que ajudou o PM a se livrar do corpo, enrolando-o em um tapete.
    A reportagem do UOL tentou confirmar a informação com o Tribunal de Justiça, mas não conseguiu contato.
    "Os três planejaram previamente a morte do embaixador. O Eduardo esclareceu os detalhes", afirmou o delegado.

    video

    "Ele [Eduardo] foi contatado pelos dois e seria a peça-chave da vigilância [do imóvel onde o crime aconteceu, uma casa que pertencia ao Casal]. O Sérgio iria matar o embaixador, e a viúva ficaria fora, com a filha", explicou Magalhães.
    Em depoimento, Françoise disse que estava em um shopping com a filha, na noite do crime, e que retornou por volta de 1h [de terça], após o jantar.
    O casal e uma filha de dez anos têm residência fixa em Brasília, mas a família tem uma casa de apoio em Nova Iguaçu. O imóvel está situado próximo ao local onde moram parentes de Françoise. Quando estão na cidade, é ali que eles se hospedam.
    Amiridis está no cargo desde janeiro e foi cônsul-geral da Grécia no Rio de Janeiro de 2001 a 2004. Ele conheceu Françoise em 2002, e o casal estava junto havia 15 anos. O matrimônio, no entanto, não estava registrado oficialmente, informou o delegado.

    Como o crime aconteceu

    A polícia ainda não pode afirmar como o embaixador grego foi morto, mas, na versão do PM, houve um embate entre ele e a vítima. Para se defender, Sérgio disse que chegou a asfixiar o diplomata, mas o delegado diz que a polícia não acredita nessa versão, já que foram identificados indícios de sangue no sofá da casa.
    "Ainda não dá para afirmar tecnicamente como ele morreu porque o corpo estava carbonizado, outras análises serão feitas", segundo Magalhães.
    O delegado confirma que o crime foi passional. O PM e a embaixatriz afirmaram que mantinham uma relação amorosa, desconhecida pelo diplomata. Os dois se conheciam há seis meses e confirmaram o caso em depoimentos na DHBF, segundo Magalhães.

    A hipótese para o motivo do crime, na avaliação do delegado, era "ficar com os bens [do marido] e curtir a vida com o policial".
    Até as 21h, os três acusados continuavam presos na sede da DHBF, em Belford Roxo, a cerca de 40 km da capital fluminense.

    Sumiço e carro queimado

    O embaixador, a mulher e a filha moravam em Brasília e estavam no Rio para as festas de fim de ano. Segundo a versão inicial de Françoise, ele teria sido visto pela última vez na noite de segunda-feira (26), saindo da casa de Nova Iguaçu.
    Seu desaparecimento foi comunicado pela mulher à polícia 48 horas depois. Causou estranheza ao delegado o fato de ela estar acompanhada do PM --que foi descrito como um segurança da casa-- e de um advogado.
    Nesta quinta-feira, um carro com as mesmas características e placas de um veículo que tinha sido alugado pelo embaixador foi localizado queimado embaixo do viaduto do Arco Metropolitano, em Nova Iguaçu. Dentro do veículo foi encontrado um corpo carbonizado.
    Investigadores ouvidos pelo UOL disseram que estão convictos de que o corpo é do diplomata, mas o IML (Instituto Médico Legal) ainda vai realizar exames conclusivos sobre a identificação do cadáver carbonizado. O delegado não demonstrou dúvidas de que a vítima é o embaixador.

    Mototaxista foi testemunha

    Na manhã desta sexta, um homem foi levado à DHBF vestindo uma touca ninja. Segundo Magalhães, ele inicialmente foi considerado suspeito de ser o quarto envolvido no crime, mas seu depoimento o converteu em testemunha.
    Mototaxista, ele não teve o nome divulgado e disse à polícia ter sido chamado por Sérgio na noite de terça (27), no local onde o veículo foi encontrado. "Ele disse que ficou com medo e que Sérgio disse para ele ficar tranquilo, porque era PM", contou.
    Em seguida, o homem, que mora em Niterói, na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, teria sido obrigado a conduzir Sérgio até um posto de gasolina. No local, ele comprou gasolina, que depois foi usada para incinerar o carro, com o corpo dentro.
    Nesse momento, o PM teria tomado a chave da moto para que ele não o deixasse sozinho no local. O mototaxista levou Sérgio até Nova Iguaçu e disse ter recebido o pagamento pelo serviço.
    O delegado contou que a testemunha procurou a Divisão de Homicídios de Niterói nesta quinta, depois de ver a notícia do sumiço do embaixador e do carro encontrado, para informar que havia levado o PM até o local.

    Agressões

    Em depoimento à polícia, a mulher do embaixador afirmou que era agredida pelo marido regularmente, segundo informações dos investigadores.
    A última agressão teria ocorrido na semana passada, quando o casal e a filha chegaram a Nova Iguaçu.

    Questionado pela reportagem do UOL sobre as supostas agressões, o delegado afirmou que elas seriam objeto de investigações posteriores.

    Temer lamenta

    Em nota na noite desta sexta, o Itamaraty disse lamentar o caso. "O governo brasileiro lamenta confirmar a morte do embaixador extraordinário e plenipotenciário da República Helênica no Brasil, Kyriakos Amiridis, e expressa seus mais profundos sentimentos a seus familiares e amigos, ao povo e ao governo da Grécia", disse.
    "O embaixador Amiridis servia no Brasil pela segunda vez. À frente da embaixada grega em Brasília desde janeiro deste ano, vinha realizando intenso trabalho para o aprofundamento das relações entre os dois países", diz o texto. (*Colaborou Gabriela Fujita, de São Paulo)

    Nenhum comentário :

    Twitter

    -->

    Culture