Como cordéis estão sendo usados para debater questões sociais nas escolas?

Escritos por Jarid Arraes, os cordéis abordam temas como racismo e feminismo
Os cordéis extrapolaram a tradicional exposição em varal ou barbante e passaram a ocupar um novo espaço: as salas de aula. Forma típica de expressão do Nordeste brasileiro, a literatura de cordel é conhecida por disseminar culturas e tradições populares locais.
Em produções mais atuais, os cordéis aparecem também com temáticas sociais, para falar sobre questões raciais e de gênero. É o caso das obras escritas por Jarid Arraes, 25. Nascida em Juazeiro do Norte, no Ceará, ela conta que começou a se aventurar no mundo dos cordéis ainda criança, lendo as obras feitas por seu pai e por seu avô.
Ela já publicou mais de 60 títulos de literatura de cordel. Os principais temas que aparecem em seus trabalhos são o machismo e a vida de mulheres negras, sobre os quais, segundo a autora, "infelizmente não aprendemos".
"Acho que esses temas são urgentes. Ainda estamos caminhando devagar para que nossa sociedade se torne mais igualitária e penso que o cordel entra nesse quadro de uma forma muito bem encaixada", ressalta.
Como cordéis estão sendo usados para debater questões sociais nas escolas? Como cordéis estão sendo usados para debater questões sociais nas escolas? Reviewed by Ricardo Adriano on janeiro 07, 2017 Rating: 5

Nenhum comentário

Teste Teste Teste Teste

Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste