Liturgia da Palavra de hoje (27)

Primeira Leitura (Hb 10,32-39)
Leitura da Carta aos Hebreus.
Irmãos, 32lembrai-vos dos primeiros dias, quando, apenas iluminados, suportastes longas e dolorosas lutas. 33Às vezes, éreis apresentados como espetáculo, debaixo de injúrias e tribulações; outras vezes, vos tornáveis solidários dos que assim eram tratados.
34Com efeito, participastes dos sofrimentos dos prisioneiros e aceitastes com alegria o confisco dos vossos bens, na certeza de possuir uma riqueza melhor e mais durável. 35Não abandoneis, pois, a vossa coragem, que merece grande recompensa.
36De fato, precisais de perseverança para cumprir a vontade de Deus e alcançar o que ele prometeu. 37Porque ainda bem pouco tempo, e aquele que deve vir virá e não tardará. 38O meu justo viverá por causa de sua fidelidade, mas, se esmorecer, não encontrarei mais satisfação nele”. 39Nós não somos desertores, para a perdição. Somos homens da fé, para a salvação da alma.

- Palavra do Senhor.
- Graças a Deus.

Responsório (Sl 36)
— A salvação de quem é justo vem de Deus!
— A salvação de quem é justo vem de Deus!
— Confia no Senhor e faze o bem, e sobre a terra habitarás em segurança. Coloca no Senhor tua alegria, e ele dará o que pedir teu coração.
— Deixa aos cuidados do Senhor o teu destino; confia nele, e com certeza ele agirá. Fará brilhar tua inocência como a luz, e o teu direito, como o sol do meio-dia.
— É o Senhor quem firma os passos dos mortais e dirige o caminhar dos que lhe agradam; mesmo se caem, não irão ficar prostrados, pois é o Senhor quem os sustenta pela mão.
— A salvação dos piedosos vem de Deus; ele os protege nos momentos de aflição. O Senhor lhes dá ajuda e os liberta, defende-os e protege-os contra os ímpios, e os guarda porque nele confiaram.

Evangelho (Mc 4,26-34)
— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor.
Naquele tempo, 26Jesus disse à multidão:
O Reino de Deus é como quando alguém espalha a semente na terra. 27Ele vai dormir e acorda, noite e dia, e a semente vai germinando e crescendo, mas ele não sabe como isso acontece.
28A terra, por si mesma, produz o fruto: primeiro aparecem as folhas, depois vem a espiga e, por fim, os grãos que enchem a espiga. 29Quando as espigas estão maduras, o homem mete logo a foice, porque o tempo da colheita chegou”.
30E Jesus continuou: “Com que mais poderemos comparar o Reino de Deus? Que parábola usaremos para representá-lo? 31O Reino de Deus é como um grão de mostarda que, ao ser semeado na terra, é a menor de todas as sementes da terra. 32Quando é semeado, cresce e se torna maior do que todas as hortaliças, e estende ramos tão grandes, que os pássaros do céu podem abrigar-se à sua sombra”.
33Jesus anunciava a Palavra usando muitas parábolas como estas, conforme eles podiam compreender. 34E só lhes falava por meio de parábolas, mas, quando estava sozinho com os discípulos, explicava tudo. 


— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

Homilia
Hoje, quero retomar, na nossa reflexão diária, aquilo que começamos a falar ontem quando São Paulo exortava Timóteo, seu filho na fé, a reinflamar e reacender a chama da fé.
Na Carta aos Hebreus, o escrito está falando justamente disso: “Lembrai-vos, tomar consciência dos primeiros dias, das lutas que enfrentamos, de tudo aquilo que enfrentamos por amor a Jesus Cristo”. Tudo aquilo que nós, muitas vezes, na vida, já suportamos por amor a Jesus e continuamos firmes, aguerridos e servindo ao Senhor. Havia em nós ou há em nossos corações uma chama, uma disposição que é dada por Deus e se chama: graça.
A graça de Deus nos permite suportar as tribulações, as perseguições, as dificuldades, as aflições e os tormentos que temos de enfrentar nessa vida. Daí, você pergunta: “Meu Deus, por que eu, muitas vezes, não consigo suportar isso ou aquilo?”. Eu lhe digo: o problema não é a graça, mas sim perguntar, meditar e refletir como está a nossa relação com a graça divina. Nós a deixamos secar? Estamos olhando para ela apenas de forma racional e humana? Estamos realmente deixando que o Espírito nos molde, crie têmpera, solidez em nós, na nossa alma, no nosso corpo e no nosso espírito?
Não podemos tratar as realidades da nossa alma e do nosso coração apenas de forma humana, apenas cuidando de ver se isso é certo. Compreendo que precisamos nos olhar como pessoas humanas, porque assim somos, mas somos pessoas humanas convertidas a Deus e não podemos abrir mão da Sua graça!
Se abrirmos mão da graça divina, vamos olhar as coisas de uma forma muito pequena e perderemos o olhar de Deus, o olhar sobrenatural. Sem a visão sobrenatural não conseguiremos sobreviver, suportar tudo aquilo que vivemos, mergulhados no mundo e na vida que temos.
Às vezes, alguém diz: “Nossa, nunca foi tão difícil viver! Nunca o mundo foi tão cruel!”. Não é verdade. Se olharmos as tribulações, as perseguições, se olharmos tudo aquilo que os apóstolos sofreram, onde os primeiros seguidores de Jesus cresceram; se olharmos os primeiros séculos da Igreja, a Igreja dos mártires, a Igreja do sangue derramado por causa de Jesus, vamos ver que nós temos até muito amenidade e liberdade para proclamar o Reino. Até enfrentamos tribulações, mas nada que se compare às tribulações que sofreram os apóstolos. Não é para ficar medindo, matematicamente falando, quem sofreu mais ou quem sofreu menos. Essa não é a questão.
A questão é que se eles foram capazes de, com a graça de Deus, suportar, vencer e ir adiante, não foi por mérito humano, mas por graça divina.
Vamos vencer, vamos adiante se não nos apoiarmos somente, e principalmente, nos méritos humanos, mas entendermos que quem nos mantêm de pé, firmes e nos levanta diante das tribulações da vida é a graça de Deus, que um dia recebemos no batismo, e em tantas ocasiões da nossa vida.
É preciso colocar essa graça para fora, deixar que o Espírito inflame em nós essa convicção de que a graça de Deus nos mantém de pé!
Deus abençoe você!
Liturgia da Palavra de hoje (27) Liturgia da Palavra de hoje (27) Reviewed by Ricardo Adriano on janeiro 27, 2017 Rating: 5

Nenhum comentário

Teste Teste Teste Teste

Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste