Bonito de ver, Plano Nacional de Educação é pura fantasia

(Sandro Agnelo/VEJA)
Uma estratégia aproxima os países que deixaram a rabeira da educação para estrelar no topo dos rankings de ensino: todos formularam um plano de longo prazo para avançar, com metas claras e realistas, e se aferraram a elas com louvável disciplina. Nesse sentido, a existência do Plano Nacional de Educação (PNE) é uma iniciativa a celebrar no Brasil. 

Veio com atraso, mas veio. Reportagem desta semana de VEJA mostra que o PNE pode ser bonito de ver, mas se desgarra da realidade. Um dos principais problemas é a meta de chegar à fatia de 10% do PIB brasileiro, o dobro da porção de hoje, batendo a campeã Noruega, que canaliza 7,3% para o ensino. O número atual já é suficientemente espantoso em um país vergado pela crise econômica. Mas tem mais: um estudo inédito elaborado pelo IDados, braço de análises do Instituto Alfa e Beto, refez as projeções de custo do PNE e concluiu que, em 2024, a educação sugaria, na verdade, 13% do PIB.
Bonito de ver, Plano Nacional de Educação é pura fantasia Bonito de ver, Plano Nacional de Educação é pura fantasia Reviewed by Ricardo Adriano on fevereiro 06, 2017 Rating: 5

Nenhum comentário

Teste Teste Teste Teste

Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste