Liturgia da Palavra de hoje (6)

Primeira Leitura (Gn 1,1-19)
Leitura do Livro do Gênesis.
1No princípio, Deus criou o céu e a terra. 2A terra estava deserta e vazia, as trevas cobriam a face do abismo e o Espírito de Deus pairava sobre as águas. 3Deus disse: “Faça-se a luz!” E a luz se fez. 4Deus viu que a luz era boa e separou a luz das trevas. 5E à luz Deus chamou “dia” e às trevas, “noite”. Houve uma tarde e uma manhã: primeiro dia. 6Deus disse: “Faça-se um firmamento entre as águas, separando umas das outras”. 7E Deus fez o firmamento, e separou as águas que estavam embaixo das que estavam em cima do firmamento. E assim se fez. 8Ao firmamento Deus chamou “céu”. Houve uma tarde e uma manhã: segundo dia. 9Deus disse: “Juntem-se as águas que estão debaixo do céu num só lugar e apareça o solo enxuto!” E assim se fez. 10Ao solo enxuto Deus chamou “terra” e ao ajuntamento das águas, “mar”. E Deus viu que era bom. 11Deus disse: “A terra faça brotar vegetação e plantas que deem semente, e árvores frutíferas que deem fruto segundo a sua espécie, que tenham nele sua semente sobre a terra”. E assim se fez. 12E a terra produziu vegetação e plantas que trazem semente segundo a sua espécie, e árvores que dão fruto tendo nele a semente da sua espécie. E Deus viu que era bom. 13Houve uma tarde e uma manhã: terceiro dia. 14Deus disse: “Façam-se luzeiros no firmamento do céu, para separar o dia da noite. Que sirvam de sinais para marcar as épocas, os dias e os anos, 15e que resplandeçam no firmamento do céu e iluminem a terra”. E assim se fez. 16Deus fez os dois grandes luzeiros: o luzeiro maior para presidir ao dia, e o luzeiro menor para presidir à noite, e as estrelas. 17Deus colocou-os no firmamento do céu para alumiar a terra, 18para presidir ao dia e à noite e separar a luz das trevas. E Deus viu que era bom. 19E houve uma tarde e uma manhã: quarto dia.

- Palavra do Senhor.
- Graças a Deus.

Responsório (Sl 103)
— Alegre-se o Senhor em suas obras!
— Alegre-se o Senhor em suas obras!
— Bendize, ó minha alma, ao Senhor! Ó meu Deus e meu Senhor, como sois grande! De majestade e esplendor vos revestis e de luz vos envolveis como num manto.
— A terra vós firmastes em suas bases, ficará firme pelos séculos sem fim; os mares a cobriram como um manto, e as águas envolviam as montanhas.
— Fazeis brotar em meio aos vales as nascentes que passam serpeando entre as montanhas; às suas margens vêm morar os passarinhos, entre os ramos eles erguem o seu canto.
— Quão numerosas, ó Senhor, são vossas obras, e que sabedoria em todas elas! Encheu-se a terra com as vossas criaturas! Bendize, ó minha alma, ao Senhor!

Evangelho (Mc 6,53-56)
— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor.
Naquele tempo, 53tendo Jesus e seus discípulos acabado de atravessar o mar da Galileia, chegaram a Genesaré e amarraram a barca. 54Logo que desceram da barca, as pessoas imediatamente reconheceram Jesus.
55Percorrendo toda aquela região, levavam os doentes deitados em suas camas para o lugar onde ouviam falar que Jesus estava.
56E, nos povoados, cidades e campos onde chegavam, colocavam os doentes nas praças e pediam-lhe para tocar, ao menos, a barra da sua veste. E todos quantos o tocavam ficavam curados.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

Homilia 

Onde Jesus está indo, levam até Ele os doentes, os enfermos, as pessoas que estão sofrendo de diversos males.
Na época de Jesus e nos dias que vivemos os males são diversos: as doenças, as enfermidades, os tormentos físicos, espirituais, psíquicos, psicológicos etc. Algum tipo de sofrimento sempre está se abatendo sobre nós.
De fato, os sofrimentos nos abatem, e, quando vêm sobre nós, derrubam-nos, prostram-nos. Muitas vezes, as doenças nos impedem de vivermos e fazermos o que precisamos e temos que nos reerguer. Às vezes, sozinhos não conseguimos nos reerguer, muitas vezes queremos e temos até vontade, mas não temos força física ou psicológica para tanto. Precisamos buscar ajuda, porque esses doentes foram levados por outros, precisamos permitir que outros nos levem. Não é ficar fazendo do outro sempre uma muleta ou ficar ancorado nele. Não é isso! Vamos depender sempre uns dos outros, daqui a pouco caminhamos por conta própria, mas quando cairmos, não custa nada pedir: Ajude-me! Levante-me!
Uma criança ou um idoso são dois extremos da vida, porque a criança precisa dos pais para tudo, e o idoso, dependendo da situação, também precisa de ajuda. Nesses dois extremos da vida, vamos aprendendo a nos virar sozinhos, mas vamos também colocando na cabeça e no coração que precisamos uns dos outros.
Duas coisas são importantes: saber que precisamos de ajuda e estarmos abertos para recebê-la, não sermos orgulhosos nem autossuficientes. Existem pessoas que sofrem caladas, sozinhas, passam por uma situação difícil na vida, mas basta a pessoa se abrir, partilhar, colocar para fora que ficará mais aliviada. Porém, existe o maldito orgulho, que deixa a pessoa fechada, ela prefere ficar sofrendo sozinha, não se abre, não busca ajuda. Todos nós precisamos de ajuda, agora e em toda a nossa vida!
A segunda coisa: todos nós precisamos ajudar, ser mãos estendidas. Precisamos ser como Jesus: estender a mão para ajudar o outro, e não é só quando o outro está muito mal, quando está caído, prostrado ou até morto, está numa situação mais emergencial. Em toda e qualquer situação, é preciso ter disposição de coração para socorrer, ajudar e levar os outros até Jesus, para que toquem n’Ele, para que sejam tocadas por Ele.
Precisamos ter em nós a unção do toque, o toque da graça para sermos instrumentos de cura na vida das pessoas. Muitas vezes, a pessoa pode sofrer de uma enfermidade que não tem cura medicinal, mas, pelo fato de ser amada, acolhida e tocada, já está curada no seu interior.
Sejamos instrumento da cura de Jesus na vida das pessoas, deixemo-nos ser levados até Ele e levemos os outros para também tocarem n’Ele.
Deus abençoe você!
Liturgia da Palavra de hoje (6) Liturgia da Palavra de hoje (6) Reviewed by Ricardo Adriano on fevereiro 06, 2017 Rating: 5

Nenhum comentário

Teste Teste Teste Teste

Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste