• Notícias de Última Hora

    sexta-feira, 19 de maio de 2017

    JBS diz que pagou R$ 60 milhões em propina para Aécio Neves em 2014

    Executivos da JBS disseram ao Ministério Público que pagaram pelo menos R$ 60 milhões em propina para o senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG) em 2014.

    Segundo a delação premiada, em troca do dinheiro desembolsado, o tucano usou o mandato para "beneficiar diretamente interesses do grupo".

    O exemplo citado no documento ao qual a Folha teve acesso foi de que Aécio teria ajudado na liberação de créditos de R$ 12,6 milhões de ICMS da JBS Couros e dos créditos de R$ 11,5 milhões de ICMS da empresa 'Da Grança', adquirida pela JBS na compra da Seara.

    Há ainda informação de que a companhia ajudou a comprar partidos para entrarem na coligação da chapa candidata à presidência, encabeçada pelo PSDB – derrotada por Dilma Rousseff.

    A colaboração dos funcionários do frigorífico foi homologada pelo ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF (Supremo Tribunal Federal).

    De acordo com os relatos aos procuradores, a empresa emitiu uma série de notas fiscais frias a diversas empresas indicadas pelo senador.

    Há também a informação de que um primo do parlamentar, de nome Frederico Medeiros, foi o indicado para receber valores em espécie.

    Por causa da delação, Fachin determinou a suspensão do mandato de Aécio, além de proibir sua saída do país e qualquer comunicação com investigados ou réus.
    Seu primo e sua irmã, Andréa Neves, foram presos na operação Patmos, deflagrada nesta quinta (18).

    Nenhum comentário :

    Twitter

    -->

    Culture