Em julho, salários de procuradores e conselheiros do TCE chegaram a quase R$ 100 mil

Salários engordaram e muito com compra de férias
Fiscal das contas públicas estaduais, o Tribunal de Contas do Estado não viu mesmo qualquer ilegalidade nas ações do Tribunal de Justiça do RN e do Ministério Público, que em abril e maio pagaram milhões a seus servidores comprando deles férias e licenças. Tanto é que o TCE fez o mesmo em julho e pagou cerca de R$ 60 mil a 12 conselheiros e procuradores do órgão, comprando as férias deles. Com isso, pelo menos cinco deles tiveram vencimentos no mês passado bem próximos dos R$ 100 mil.
Dentre os beneficiados, estão o presidente do órgão, o conselheiro Gilberto Jales, que embolsou R$ 96,5 mil em julho (salário de R$ 29 mil mais R$ 67 mil de outras remunerações); o vice-presidente Tarcísio Costa (R$ 94,8 mil); os ex-presidentes Carlos Thompson (R$ 96,5 mil) e Paulo Roberto Chaves (R$ 95,9 mil) e o ex-procurador-geral de Contas, Luciano Ramos (R$ 93,9 mil).
A relação completa dos vencimentos dos conselheiros e procuradores do TCE pode ser consultada pelo Portal da Transparência do órgão (acesse aqui). Além de conselheiros e procuradores, vale destacar, o benefício foi pago também a servidores de carreira que aceitaram vender suas férias ao órgão.
SEM IRREGULARIDADE
Em junho deste ano, diante da revelação de que integrantes do Tribunal de Justiça do RN e do Ministério Público haviam embolsado mais de R$ 100 mil por venderem férias e licenças aos seus órgãos, o Ministério Público de Contas, por meio do procurador Ricard Cesar Coelho dos Santos, esclareceu em entrevista ao jornal Tribuna do Norte que os pagamentos não são ilegais e é uma prática até comum em outros órgãos das administrações federais.
“A questão não é ilegal, mas a gente não pode imaginar um pagamento desse tipo sem que haja orçamento suficiente”, avaliou o procurador-geral. Em julho, somando as vendas de férias, Ricart Cesar recebeu R$ 87 mil do TCE.

PALAVRA DO TCE
Além da opinião do procurador-geral, a assessoria do Tribunal de Contas do Estado afirmou, por meio de nota, que “disciplinou por meio de resolução o fim do acúmulo de férias por parte de membros e servidores. A resolução permitiu que períodos não gozados, por necessidade do serviço, fossem convertidos em pecúnia, mediante pedido expresso do servidor e dentro da condição financeira e orçamentária do Tribunal”.
Segundo o TCE, o objetivo da medida foi não permitir mais a acumulação de férias. “Ressalte-se que não houve e nem haverá, no âmbito da Corte de Contas, o mesmo tipo de pagamento referente a licença-prêmio não gozada. Cumpre anotar que precedentes do Supremo Tribunal Federal reconhecem o direito do servidor público e o dever da Administração de indenizar férias não usufruídas”, finalizou.
CONSELHEIRO/PROCURADOR  – VENCIMENTOS SOMADOS
  • TARCISIO COSTA – R$ 93,8
  • ANTONIO GILBERTO DE OLIVEIRA JALES – R$ 96,5
  • CARLOS THOMPSON COSTA FERNANDES – R$ 96,5
  • LUCIANO SILVA COSTA RAMOS – R$ 93,9
  • MARIA ADELIA DE ARRUDA SALES SOUZA – R$ 90
  • PAULO ROBERTO CHAVES ALVES – R$ 95,9
  • CARLOS ROBERTO GALVAO BARROS – R$ 87,4
  • FRANCISCO POTIGUAR CAVALCANTI JUNIOR – R$ 87,4
  • RENATO COSTA DIAS – R$ 81,7
  • THIAGO MARTINS GUTERRES – R$ 81,6
  • RICART CESAR COELHO DOS SANTOS – R$ 87,2
  • MARCO ANTONIO DE M REGO MONTENEGRO – R$ 84,5
  • ANTONIO ED SOUZA SANTANA – R$ 37,3*

O único que superou o teto constitucional de vencimentos sem vender suas férias e/ou licenças foi o novo presidente do Movimento Articulado de Combate a Corrupção, o MARCCO, Antônio Ed Santana. Porém, com ferias gozadas em julho, o procurador teve R$ 37,3 mil de remuneração nesse mês.
Em julho, salários de procuradores e conselheiros do TCE chegaram a quase R$ 100 mil Em julho, salários de procuradores e conselheiros do TCE chegaram a quase R$ 100 mil Reviewed by Ricardo Adriano on agosto 30, 2017 Rating: 5

Nenhum comentário

Teste Teste Teste Teste

Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste