• Notícias de Última Hora

    sexta-feira, 18 de agosto de 2017

    Liturgia da Palavra de hoje (18)

    Primeira Leitura (Js 24,1-13)
    Leitura do Livro de Josué.
    Naqueles dias, 1Josué reuniu em Siquém todas as tribos de Israel e convocou os anciãos, os chefes, os juízes e os magistrados, que se apresentaram diante de Deus.
    2Então Josué falou a todo o povo: “Assim diz o Senhor, Deus de Israel: Vossos pais, Taré, pai de Abraão e de Nacor habitaram outrora do outro lado do rio Eufrates e serviram a deuses estranhos.
    3Mas eu tirei Abraão, vosso pai, dos confins da Mesopotâmia, e o conduzi através de toda a terra de Canaã, e multipliquei a sua descendência. 4Dei-lhe Isaac, e a este dei Jacó e Esaú. E a Esaú, um deles, dei em propriedade o monte Seir; Jacó, porém, e seus filhos, desceram para o Egito.
    5Em seguida, enviei Moisés e Aarão e castiguei o Egito com prodígios que realizei em seu meio, e depois disso vos tirei de lá. 6Fiz, portanto, que vossos pais saíssem do Egito, e assim chegastes ao mar. Os egípcios perseguiram vossos pais, com carros e cavaleiros, até o mar Vermelho. 7Vossos pais clamaram então ao Senhor, e ele colocou trevas entre vós e os egípcios. Depois trouxe sobre estes o mar, que os recobriu. Vossos olhos viram todas as coisas que eu fiz no Egito e habitastes no deserto muito tempo.
    8Eu vos introduzi na terra dos amorreus que habitavam do outro lado do rio Jordão. E, quando guerrearam contra vós, eu os entreguei em vossas mãos, e assim ocupastes a sua terra e os exterminastes.
    9Levantou-se então Balac, filho de Sefor, rei de Moab, e combateu contra Israel, e mandou chamar Balaão, filho de Beor, para que vos amaldiçoasse. 10Eu, porém, não o quis ouvir. Ao contrário, abençoei-vos por sua boca, e vos livrei de suas mãos.
    11A seguir, atravessastes o Jordão e chegastes a Jericó. Mas combateram contra vós os habitantes desta cidade – os amorreus, os ferezeus, os cananeus, os hititas, os gergeseus, os heveus e os jebuseus. Eu, porém, entreguei-os em vossas mãos. 12Enviei à vossa frente vespões que os expulsaram da vossa presença – os dois reis dos amorreus – e isso não com a tua espada nem com o teu arco. 13Eu vos dei uma terra que não lavrastes, cidades que não edificastes, e nelas habitais, vinhas e olivais que não plantastes, e comeis de seus frutos.

    - Palavra do Senhor.
    - Graças a Deus.

    Responsório (Sl 135)
    — Eterna é a sua misericórdia!
    — Eterna é a sua misericórdia!
    — Demos graças ao Senhor, porque ele é bom: porque eterno é seu amor! Demos graças ao Senhor, Deus dos deuses: porque eterno é seu amor! Demos graças ao Senhor dos senhores: porque eterno é seu amor!
    — Ele guiou pelo deserto o seu povo: porque eterno é seu amor! E feriu por causa dele grandes reis: porque eterno é seu amor! Reis poderosos fez morrer por causa dele: porque eterno é seu amor!
    — Repartiu a terra deles como herança: porque eterno é seu amor! Como herança a Israel, seu servidor: porque eterno é seu amor! De nossos inimigos libertou-nos: porque eterno é seu amor!

    Evangelho (Mt 19,3-12)
    — O Senhor esteja convosco.
    — Ele está no meio de nós.
    — Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
    — Glória a vós, Senhor.
    Naquele tempo, 3alguns fariseus aproximaram-se de Jesus, e perguntaram, para o tentar: “É permitido ao homem despedir sua esposa por qualquer motivo?” 4Jesus respondeu: “Nunca lestes que o Criador, desde o início, os fez homem e mulher? 5E disse: ‘Por isso, o homem deixará pai e mãe, e se unirá à sua mulher, e os dois serão uma só carne’ 6De modo que eles já não são dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus uniu, o homem não separe”.
    7Os fariseus perguntaram: “Então, como é que Moisés mandou dar certidão de divórcio e despedir a mulher?” 8Jesus respondeu: “Moisés permitiu despedir a mulher, por causa da dureza do vosso coração. Mas não foi assim desde o início. 9Por isso, eu vos digo: quem despedir a sua mulher – a não ser em caso de união ilegítima – e se casar com outra, comete adultério”. 10Os discípulos disseram a Jesus: “Se a situação do homem com a mulher é assim, não vale a pena casar-se”.
    11Jesus respondeu: “Nem todos são capazes de entender isso, a não ser aqueles a quem é concedido. 12Com efeito, existem homens incapazes para o casamento, porque nasceram assim; outros, porque os homens assim os fizeram; outros, ainda, se fizeram incapazes disso por causa do Reino dos Céus. Quem puder entender entenda”.

    — Palavra da Salvação.
    — Glória a vós, Senhor.

    Homilia
    Precisamos conscientizar nossos jovens, aqueles que são chamados ao sacramento do matrimônio, os que estão casados e os que querem se casar, a abraçarem as exigências da vida a dois. Não podemos negar que o amor é lindo e divino, que o amor da mulher e do homem é sublime, mas também não podemos ser pessoas iludidas, senão, mais tarde, as fragilidades serão grandes e até difíceis de serem superadas ou suportadas.
    Fico preocupado, porque os nossos casamentos têm durado tão pouco. Por que os matrimônios estão tão frágeis? Primeiro, é justamente por causa da falta de consciência e de consistência sobre as exigências da vida a dois. “Por isso o homem e a mulher deixarão seu pai e sua mãe”. Deixar pai e mãe não é justamente deixar a casa, mas sim a vida de solteiro, porque não dá para casar e viver como solteiro, frequentar os mesmos lugares, fazer as mesmas coisas, querer ter a mesma liberdade.
    A vida a dois é exigente. Você foi chamado para uma vida de união mútua, estável, sobretudo, uma união onde serão uma só carne. Quantas exigências para essas duas realidades se unirem, e para isso é preciso uma oblação de corpo, alma e espírito, para que as exigências do matrimônio aconteçam, de fato, na vida a dois.
    Quem vai para o matrimônio precisa estar consciente de que aquela é a família que formou. Não quer dizer que você precisa desprezar o seu pai e a sua mãe, pelo contrário, você vai amá-los para sempre, eles são seus pais, mas você não os pode amar, cuidar deles, estar o tempo todo voltado para eles mais do que para a vida a dois que você assumiu. Muitos casamentos fracassam, porque as pessoas não querem sair da casa do pai ou da mãe. A realidade nova só acontecerá quando sua união com o cônjuge for plena, quando você o assumir com suas fraquezas e limites.
    Uma coisa é muito importante: sair do mundo das ilusões e das fantasias. O matrimônio não é para príncipes e princesas encantadas. O matrimônio é para um homem com virtudes, mas também com limites; para uma mulher que tem muitas virtudes, uma beleza, mas tem seus limites. E os dois se unindo precisam saber confrontar-se com essa realidade.
    A Igreja chama à atenção para a preparação necessária, fundamental e exigente para com os nossos jovens, com aqueles que receberão esse sacramento e aqueles que já o receberam, a fim de que tomem, cada dia mais, consciência das exigências e responsabilidades da vida a dois.
    O matrimônio é uma bênção, mas precisamos nos dispor a vivê-la. O matrimônio é uma graça, mas essa graça é atacada e pode se tornar uma desgraça quando não for bem vivida, com as exigências próprias da vida a dois.
    Deus abençoe você!

    Nenhum comentário :

    Twitter

    -->

    Culture