• Notícias de Última Hora

    quinta-feira, 24 de agosto de 2017

    Liturgia da Palavra de hoje (24)

    Primeira Leitura (Ap 21,9b-14)
    Leitura do Apocalipse de São João.
    9bUm anjo falou comigo e disse: “Vem! Vou mostrar-te a noiva, a esposa do Cordeiro”. 10Então me levou em espírito a uma montanha grande e alta. Mostrou-me a cidade Santa, Jerusalém, descendo do céu, de junto de Deus, 11brilhando com a glória de Deus. Seu brilho era como o de uma pedra preciosíssima, como o brilho de jaspe cristalino. 12Estava cercada por uma muralha maciça e alta, com doze portas. Sobre as portas estavam doze anjos, e nas portas estavam escritos os nomes das doze tribos de Israel. 13Havia três portas do lado do oriente, três portas do lado norte, três portas do lado sul e três portas do lado do ocidente. 14A muralha da cidade tinha doze alicerces, e sobre eles estavam escritos os nomes dos doze apóstolos do Cordeiro.

    - Palavra do Senhor.
    - Graças a Deus.

    Responsório (Sl 144)
    — Ó Senhor, vossos amigos anunciem vosso Reino glorioso!
    — Ó Senhor, vossos amigos anunciem vosso Reino glorioso!
    — Que vossas obras, ó Senhor, vos glorifiquem, e os vossos Santos com louvores vos bendigam! Narrem a glória e o esplendor do vosso reino e saibam proclamar vosso poder!
    — Para espalhar vossos prodígios entre os homens, e o fulgor de vosso reino esplendoroso. O vosso reino é um reino para sempre, vosso poder, de geração em geração!
    — É justo o Senhor em seus caminhos, é Santo em toda obra que ele faz. Ele está perto da pessoa que o invoca, de todo aquele que o invoca lealmente.

    Evangelho (Jo 1,45-51)
    — O Senhor esteja convosco.
    — Ele está no meio de nós.
    — Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
    — Glória a vós, Senhor.
    45Filipe encontrou-se com Natanael e lhe disse: “Encontramos aquele de quem Moisés escreveu na Lei, e também os profetas: Jesus de Nazaré, o filho de José”.
    46Natanael disse: “De Nazaré pode sair coisa boa?” Filipe respondeu: “Vem ver!” 47Jesus viu Natanael que vinha para ele e comentou: “Aí vem um israelita de verdade, um homem sem falsidade”. 48Natanael perguntou: “De onde me conheces?” Jesus respondeu: “Antes que Filipe te chamasse, enquanto estavas debaixo da figueira, eu te vi”. 49Natanael respondeu: “Rabi, tu és o Filho de Deus, tu és o Rei de Israel”.
    50Jesus disse: “Tu crês porque te disse: Eu te vi debaixo da figueira? Coisas maiores que esta verás!”51E Jesus continuou: “Em verdade, em verdade eu vos digo: Vereis o céu aberto e os anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do Homem”.

    — Palavra da Salvação.
    — Glória a vós, Senhor.

    homilia
    Celebramos, hoje, São Bartolomeu ou Natanael, discípulo de Jesus, apóstolo do Reino, natural de Caná da Galileia. Escutamos Jesus, ainda sem conviver com Natanael, elogiando-o. Mas de que forma Jesus o elogia? Primeiro, dizendo que ele é um verdadeiro israelita. E por que ele é verdadeiro? Porque nele não há falsidade. E por que Jesus o elogia? Jesus o conhecia desde quando ele estava debaixo da árvore, mas o elogia pela sinceridade do seu coração. Filipe foi dizer a Natanael que havia encontrado o Messias, aquele que Moisés tinha descrito na Lei: “Ele é Jesus de Nazaré, é o filho de José”, e ele, com toda sinceridade do coração, questionou: “De Nazaré pode vir alguma coisa boa?”.
    Como precisamos de pessoas sinceras e autênticas! Só não precisamos cair numa falsa visão de sinceridade e autenticidade, como se sinceridade e autenticidade fossem sinônimos de pessoas que falam tudo o que querem e podem.
    Pessoas sinceras são autênticas, ou seja, quando gostam, elas expressam que gostam; quando não gostam, sabem expressar que não gostam; quando entendem, sabem manifestar que entendem; quando não entendem, não compreendem; e quando não concordam, sabem dizer que não concordam.
    A sinceridade não é sinônimo daquela pessoa que tudo critica, que vê tudo errado. A sinceridade é aquilo que vem da pureza da alma e do coração, vem de uma pessoa que não vive para agradar nem para fazer média com os outros.
    A sinceridade vem de uma alma autêntica e verdadeira, capaz de reconhecer a si mesmo, seus próprios limites e suas dificuldades; a sinceridade de reconhecer que não está bem, saber que está bem quando está; mas quando as coisas não estão andando, ela é capaz de dizer.
    A sinceridade evangélica é aquela que se confronta com Deus do jeito que é, porque, às vezes, nós queremos fazer média até com Deus. Sincero é aquele que se apresenta diante do Senhor do jeito que está vivendo, passando, sofrendo e enfrentando a vida. A sinceridade é viver a verdade.
    “Eis um verdadeiro israelita, porque nele não há falsidade”. Jesus quer também nos chamar de verdadeiros cristãos, porque há cristãos e cristãos. Nós somos cristãos pela graça do batismo, mas podemos ser falsos cristãos, viver falsidades na vida, ser aquilo que não somos, procurar ser ou viver de aparências, de cascas. Não há nada mais abominável do que isso.
    Sejamos autênticos e sinceros com nós mesmos e não tenhamos medo de assumir aquilo que somos. Deus cura, salva e transforma o que é vivido e assumido. Quando vivemos e assumimos o que somos, Deus pode cuidar melhor de nós.
    Deus abençoe você!

    Nenhum comentário :

    Twitter

    -->

    Culture