"O que falamos sobre PGR e ministros não é verdade", diz Joesley

Joesley Batista presta depoimento na Polícia Federal em SP
Em nota enviada à imprensa nesta terça-feira, o empresário Joesley Batista e o executivo Ricardo Saud, ambos ligados ao grupo J&F, negaram a veracidade dos relatos feitos por eles  em áudio entregue à Procuradoria-Geral da República.
Na conversa, gravada por engano no último dia 17 de março, os executivos citam três ministros do Supremo Tribunal Federal e o próprio procurador-geral da República, Rodrigo Janot.
“Esclarecemos que as referências feitas por nós ao Excelentíssimo Senhor Procurador-Geral da República e aos Excelentíssimos Senhores e Senhoras Ministros do Supremo Tribunal Federal não guardam nenhuma conexão com a verdade. Não temos conhecimento de nenhum ato ilícito cometido por nenhuma dessas autoridades”, diz a nota.
Ao menos três ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) foram citados na conversa: Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes e a presidente da Corte, Carmén Lúcia. Sobre nenhum deles, no entanto, há menção ou atribuição a algum tipo de crime.
Um dos pontos mais sensíveis da gravação é quando Joesley e Saud citam Fernanda (provavelmente a advogada Fernanda Tórtima, que fez a defesa de Eduardo Cunha), afirmando que ela “surtou” porque, a depender das autoridades citadas no depoimento, eles poderiam “entregar” o Supremo.
“Surtou por causa do Zé, porque sabe que, se nós entregar o Zé, nós entrega o Supremo”, diz Joesley no áudio, se referindo a Fernanda e a José Eduardo Cardozo, ex-ministro da Justiça.
“Eu falei pro Marcelo: ô Marcelo, cê quer pegar o Supremo? Quero. Pega o Zé. Guarda o Zé, o Zé entrega o Supremo”, continua, provavelmente se referindo a Marcelo Miller.
Aparentemente bêbados, os dois também fizeram piada com a proximidade entre Cardozo, a ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do STF, Carmen Lúcia, além de se referirem de forma chula a várias mulheres. “Pedimos as mais sinceras desculpas por este ato desrespeitoso”, diz a dupla na nota enviada à imprensa.
Ontem, o procurador-geral da República, Rodrigo Janotabriu uma investigação contra três delatores da empresa — além de Joesley e Saud, Francisco de Assis, advogado do grupo J&F, também será investigado.
A suspeita é que os executivos da holding que controla a JBS omitiram informações “gravíssimas” em seu acordo de delação premiada.
De acordo com Janot, as gravações apresentadas pelos delatores na semana passada revelam um diálogo entre Joesley e Ricardo Saud, então diretor institucional da J&F, com “referências indevidas à Procuradoria-Geral da República e ao Supremo Tribunal Federal”.
Veja a nota:
“A todos que tomaram conhecimento da nossa conversa, por meio de áudio por nós entregue à PGR, em cumprimento ao nosso acordo de colaboração, esclarecemos que as referências feitas por nós ao Excelentíssimo Senhor Procurador-Geral da República e aos Excelentíssimos Senhores e Senhoras Ministros do Supremo Tribunal Federal não guardam nenhuma conexão com a verdade. Não temos conhecimento de nenhum ato ilícito cometido por nenhuma dessas autoridades. O que nós falamos não é verdade, pedimos as mais sinceras desculpas por este ato desrespeitoso e vergonhoso e reiteramos o nosso mais profundo respeito aos Ministros e Ministras do Supremo Tribunal Federal, ao Procurador-Geral da República e a todos os membros do Ministério Público.”
"O que falamos sobre PGR e ministros não é verdade", diz Joesley "O que falamos sobre PGR e ministros não é verdade", diz Joesley Reviewed by Ricardo Adriano on setembro 06, 2017 Rating: 5

Teste Teste Teste Teste

Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste