PF termina de contar dinheiro do ‘bunker’ de Geddel: R$51 milhões

PF encontra malas de dinheiro em endereço em Salvador que segundo investigações seria usado como "bunker" para valores por Geddel Vieira Lima
Polícia Federal terminou na noite desta terça-feira a árdua tarefa de contar a montanha de dinheiro vivo encontrada em um apartamento de Salvador que estaria ligado ao ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB). A quantia em espécie, guardada dentro de caixas e malas, totalizou 51 milhões de reais. Ou, mais especificamente, R$ 51.030.866,40 – divididos em R$ 42.643.500 e US$2.688.000,00, que na cotação atual equivale a R$ 8.387.366,40. É a maior apreensão em dinheiro vivo da história do país. Mesmo usando máquinas que contam dinheiro, a PF só chegou ao número final depois de várias horas de trabalho.
Para os investigadores, a residência servia de “bunker” para o ex-ministro. O apartamento foi alvo de busca na nova fase da Operação Cui Bono?, batizada Tesouro Perdido. O local foi alugado po Geddel para guardar pertences de seu pai, falecido no ano passado. O apartamento seria de um homem chamado Silvio Silveira, que o teria repassado ao peemedebista com esse fim. A PF recebeu uma ligação anônima no dia 14 de agosto asseverando que, no último semestre, Geddel estaria utilizando o imóvel, de fato, para guardar caixas com documentos.
Geddel ganhou o direito de cumprir prisão domiciliar em Salvador no dia 12 de julho. Ele foi preso no início daquele mês na Cui Bono?, um desdobramento da Operação Catilinárias, que é derivada da Lava Jato e foi lançada em dezembro de 2015. Ela foi desencadeada a partir de um celular encontrado na casa do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB), então presidente da Câmara, que registrava uma troca de mensagens dele com Geddel, ex-ministro da Secretaria de Governo de Michel Temer (PMDB).

PF termina de contar dinheiro do ‘bunker’ de Geddel: R$51 milhões PF termina de contar dinheiro do ‘bunker’ de Geddel: R$51 milhões Reviewed by Ricardo Adriano on setembro 06, 2017 Rating: 5

Nenhum comentário

Teste Teste Teste Teste

Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste