Facções criminosas juntas têm um exército de 17 mil “soldados” nas cadeias do Ceará

Facções reinam no Ceará
Um documento elaborado pela Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejus) e entregue, recentemente, ao governador Camilo Santana (PT), faz um grave diagnóstico acerca da presença das facções dentro do Sistema Penitenciário do Ceará. Apesar de ter caráter sigiloso, o relatório “vazou” e mostra que o poderio das organizações criminosas aumenta a cada dia no estado.  Um verdadeiro “exército” de bandidos formado por quase 17 mil homens, comanda o crime nas cadeias cearenses, o que representa mais de 60 por cento da massa carcerária estadual.

Só o Comando Vermelho (CV), apontada como a facção com maior número de integrantes, domina 31 unidades prisionais  estaduais, sendo cinco presídios e 26 cadeias públicas, com um  “exército” de aproximadamente oito mil homens.

Ainda de acordo com o documento, a facção cearense Guardiões do Estado (GDE), tida como a mais violenta e armada do estado, é a segunda mais numerosa no Sistema Penal. Atualmente, comanda 23 cadeias públicas do interior e mais quatro presídios e Casas de Privação Provisória da Liberdade (CPPLs). Seu efetivo de “soldados” do crime chega a 5.335 detentos.

Já o Primeiro Comando da Capital (PCC), o mais estruturado e com maior poderio financeiro, possui, segundo o que foi apontado no relatório da Sejus, cerca de 2.847  integrantes dentro do Sistema Penitenciário do Ceará. A facção com origem em São Paulo, hoje domina 20 cadeias públicas e um presídio, no caso, a Casa de Privação Provisória da Liberdade Professor Jucá Neto, a CPPL 3, em Itaitinga, unidade recordista em fugas através de túneis e resgates.

Cadeias Públicas

De acordo com o levantamento, 26 Cadeias Públicas do Interior do Ceará estão dominadas pelo CV, com 2.784 integrantes da facção.  O grupo criminoso é maioria entre os presos das unidades carcerárias dos seguintes Municípios: Acaraú, Aquiraz, Aracati, Beberibe, Bela Cruz, Camocim, Canindé, Cascavel, Frecheirinha, Granja, Icapuí, Icó, Ipu, Irauçuba, Itapajé, Juazeiro do Norte (masculino), Jucás, Morrinhos, Nova Russas, Ocara, Pacoti, Quixadá, Redenção, Senador Pompeu, Tabuleiro do Norte e Ubajara.

Já a facção PCC, com 1.522 “soldados do crime”,  domina 20 cadeias das seguintes cidades: Acopiara, Boa Viagem, Croatá, Farias Brito, Iracema, Jaguaribe, Marco, Meruoca, Mombaça, Moraújo, Novo Oriente, Orós, Paraipaba, Quixeramobim, Quixeré, Russas, Santana do Acaraú, Santa Quitéria e Tianguá. No total, são 1.522 presos que se declararam integrantes da organização criminosa paulista.

A facção Guardiões do Estado (GDE), grupo criminoso criado no Ceará, conta com 1.537 presos no Interior e na Região Metropolitana de Fortaleza e comanda, conforme o levantamento feito pela Sejus, 23 cadeias dos seguintes Municípios: Aracoiaba, Baturité, Caridade, Caririaçu, Cedro, Crato, Fortim, Itapiúna, Itarema, Jaguaruana, Juazeiro do Norte (Feminino), Maracanaú, Maranguape, Morada Nova, Pacajus, Pacatuba, Palmácia, Paracuru, PIndoretama, São Benedito, São Luís do Curu, Tauá e Várzea Alegre.

Presídios e penitenciárias

Nas chamadas Grandes Unidades do Sistema Penitenciário cearense o CV mantém a prevalência, com 5.821 detentos em presídios, penitenciárias, presídios regionais e nas Casas de Privação Provisória da Liberdade  (CPPLs 1 e 4).

A GDE domina quatro presídios (CPPL 2, IPPOO 2, Penitenciária do Cariri/PIRC em Juazeiro do Norte  e a recém-inaugurada Unidade Prisional Professor José Sobreira de Amorim), com um total de 3.335 presos que se declararam pertenceram à facção.

Já o PCC  tem “reservado” para seus membros a Casa de Privação Provisória da Liberdade Professor Jucá Neto, a CPPL 3, em Itaitinga, na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), como 1.325 “soldados”.
Reproduzido por MassapeCeara.Com|Créditos: Ceará News7
Facções criminosas juntas têm um exército de 17 mil “soldados” nas cadeias do Ceará Facções criminosas juntas têm um exército de 17 mil “soldados” nas cadeias do Ceará Reviewed by Ricardo Adriano on março 12, 2018 Rating: 5

Teste Teste Teste Teste

Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste