Liturgia da Palavra (21)


Primeira Leitura (Dn 3,14-20.24.49a.91-92.95)
Leitura da Profecia de Daniel.
Naqueles dias, 14o rei Nabucodonosor tomou a palavra e disse: “É verdade, Sidrac, Misac e Abdênago, que não prestais culto a meus deuses e não adorais a estátua de ouro que mandei erguer? 15E agora, quando ouvirdes tocar trombeta, flauta, cítara, harpa, saltério e gaitas, e toda espécie de instrumentos, estais prontos a prostrar-vos e adorar a estátua que mandei fazer? Mas, se não fizerdes adoração, no mesmo instante sereis atirados na fornalha de fogo ardente; e qual é o deus que poderá libertar-vos de minhas mãos?”
16Sidrac, Misac e Abdênago responderam ao rei Nabucodonosor: “Não há necessidade de respondermos sobre isto: 17se o nosso Deus, a quem rendemos culto, pode livrar-nos da fornalha de fogo ardente, ele também poderá libertar-nos de tuas mãos, ó rei. 18Mas, se ele não quiser libertar-nos, fica sabendo, ó rei, que não prestaremos culto a teus deuses e tampouco adoraremos a estátua de ouro que mandaste fazer”.
19A estas palavras, Nabucodonosor encheu-se de cólera contra Sidrac, Misac e Abdênago, a ponto de se alterar a expressão do rosto; deu ordem para acender a fornalha com sete vezes mais fogo que de costume; 20e encarregou os soldados mais fortes do exército para amarrarem Sidrac, Misac e Abdênago e os lançarem na fornalha de fogo ardente.
24Os três jovens andavam de cá para lá no meio das chamas, entoando hinos a Deus e bendizendo ao Senhor. 49aMas o anjo do Senhor tinha descido simultaneamente na fornalha para junto de Azarias e seus companheiros.
91O rei Nabucodonosor, tomado de pasmo, levantou-se apressadamente, e perguntou a seus ministros: “Porventura, não lançamos três homens bem amarrados no meio fogo?” Responderam ao rei: “É verdade, ó rei”. 92Disse este: “Mas eu estou vendo quatro homens andando livremente no meio do fogo, sem sofrerem nenhum mal, e o aspecto do quarto homem é semelhante ao de um filho de Deus”.
95Exclamou Nabucodonosor: “Bendito seja o Deus de Sidrac, Misac e Abdênago, que enviou seu anjo e libertou seus servos, que puseram nele sua confiança e transgrediram o decreto do rei, preferindo entregar suas vidas a servir e adorar qualquer outro Deus que não fosse o seu Deus.
- Palavra do Senhor.
- Graças a Deus.

Responsório (Dn 3,52-56)
— A vós louvor, honra e glória eternamente!
— A vós louvor, honra e glória eternamente!
— Sede bendito, Senhor Deus de nossos pais. A vós louvor, honra e glória eternamente! Sede bendito, nome santo e glorioso. A vós louvor, honra e glória eternamente!
— No templo santo onde refulge a vossa glória. A vós louvor, honra e glória eternamente! E em vosso trono de poder vitorioso. A vós louvor, honra e glória eternamente!
— Sede bendito, que sondais as profundezas. A vós louvor, honra e glória eternamente! E superior aos querubins vos assentais. A vós louvor, honra e glória eternamente!
— Sede bendito no celeste firmamento. A vós louvor, honra e glória eternamente! Obras todas do Senhor, glorificai-o. A ele louvor, honra e glória eternamente!

Evangelho (Jo 8,31-42)
— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.
Naquele tempo, 31Jesus disse aos judeus que nele tinham acreditado: “Se permanecerdes na minha palavra, sereis verdadeiramente meus discípulos, 32e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará”. 33Responderam eles: “Somos descendentes de Abraão, e nunca fomos escravos de ninguém. Como podes dizer: ‘Vós vos tornareis livres’?”
34Jesus respondeu: “Em verdade, em verdade, vos digo, todo aquele que comete pecado é escravo do pecado. 35O escravo não permanece para sempre numa família, mas o filho permanece nela para sempre. 36Se, pois, o Filho vos libertar, sereis verdadeiramente livres. 37Bem sei que sois descendentes de Abraão; no entanto, procurais matar-me, porque a minha palavra não é acolhida por vós. 38Eu falo o que vi junto do Pai; e vós fazeis o que ouvistes do vosso pai”.
39Eles responderam então: “Nosso pai é Abraão”. Disse-lhes Jesus: “Se sois filhos de Abraão, praticai as obras de Abraão! 40Mas agora, vós procurais matar-me, a mim, que vos falei a verdade que ouvi de Deus. Isto, Abraão não o fez. 41Vós fazeis as obras do vosso pai”.
Disseram-lhe, então: “Nós não nascemos do adultério, temos um só pai: Deus”. 42Respondeu-lhes Jesus: “Se Deus fosse vosso Pai, certamente me amaríeis, porque de Deus é que eu saí, e vim. Não vim por mim mesmo, mas foi ele que me enviou”.
— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

Homilia
Os três jovens a quem Daniel transcreve: Sidrac, Misac e Abdênago, são exemplos de três corações tementes e fiéis a Deus. O rei Nabucodonosor pediu que eles deixassem o Deus que serviam, para servir os deuses, para servir a idolatria dele e queria que todos servissem. O rei os ameaçava, pois, se não o fizessem, arderiam na fornalha ardente que queimava e conduzia à morte.
Esses jovens foram jogados na fornalha porque não obedeceram a ordem do rei, aliás, eles não só não obedeceram, mas testemunharam a fé que tinham no Deus de Israel. É como se eles dissessem: “Não vamos te seguir, porque o rei a quem servimos, tem o poder de nos livrar da fornalha da morte, e mesmo que Ele não nos livre, jamais O deixaremos para seguir a um deus desse mundo”.
Fé não é colocar condição para Deus, “Deus vai me livrar dessa doença, e só assim vou servi-Lo”. Deus pode nos livrar e se Ele não nos livra, O servirei ainda mais, porque o nosso coração é d’Ele, mas não pelas condições que colocamos, o nosso coração é de Deus pelo amor que temos por Ele. Quem ama não impõe condição, quem O ama coloca-se todo para Ele.
No meio da fornalha, do fogo incandescente, no meio do fogo que queimava, aqueles três jovens poderiam reclamar, murmurar, maldizer o Deus a quem serviam, mas, eles andavam no meio das chamas, entoando hinos a Deus, louvando, bendizendo ao Senhor. Por esse motivo o fogo não os atingiu, porque eles transformaram a provação em motivo de louvor, de ação de graças e de bendizer ao Senhor.
Todos nós “andamos” no meio de tantas fornalhas ardentes que queimam o nosso coração, a nossa vida e, muitas vezes, desanimamos, desistimos, afastamo-nos de Deus, mas é o contrário, quando as provações vêm ao nosso encontro é a hora de levantarmos e dizermos a quem servimos, quem é o Deus em que acreditamos. E, ainda que consumam a nossa vida, ainda que dores e enfermidades batam à nossa porta, rendemos ao Senhor Nosso Deus, o louvor, a honra, a glória; rendemos o nosso coração a Ele que é bendito para sempre.
Ainda que, experimentemos os fracassos, somos do Senhor e a nossa vida pertence a Ele. Não é pelas vitórias que servimos a Deus, O servimos porque Ele é o amor da nossa vida.
Deus abençoe você!
Liturgia da Palavra (21) Liturgia da Palavra (21) Reviewed by Ricardo Adriano on março 21, 2018 Rating: 5

Teste Teste Teste Teste

Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste