Às vésperas de julgamento de HC de Lula, presidente do STF pede serenidade e diz que "violência não é justiça"

BRASÍLIA (Reuters) - A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, vai pedir, em pronunciamento oficial que vai ao ar na noite desta segunda-feira, “serenidade” para evitar que diferenças ideológicas se tornem fontes de “desordem social” e para se romper com o “quadro de violência”.

Ela defende que haja respeito a opiniões diferentes.

“A efetividade dos direitos conquistados pelos cidadãos brasileiros exige garantia de liberdade para exposição de ideias e posições plurais, algumas mesmo contrárias. Repito: há que se respeitar opiniões diferentes”, afirma a presidente do STF, em texto da fala divulgado pela Secretaria de Comunicação da corte nesta tarde.

Cármen Lúcia diz que se vive “tempos de intolerância e de intransigência contra pessoas e instituições”.

“Por isso mesmo, este é um tempo em que se há de pedir serenidade. Serenidade para que as diferenças ideológicas não sejam fonte de desordem social. Serenidade para se romper com o quadro de violência. Violência não é justiça. Violência é vingança e incivilidade. Serenidade há de se pedir para que as pessoas possam expor suas ideias e posições, de forma legítima e pacífica”, afirma.

A manifestação de Cármen Lúcia ocorre quase uma semana depois de a caravana do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva —pré-candidato ao Palácio do Planalto— ter sido alvo de tiros no interior do Paraná e na antevéspera de o STF julgar recurso do petista.

Nesta manhã, a presidente do Supremo reuniu-se com o diretor-geral da PF, Rogério Galloro, para conversar sobre medidas de segurança para a retomada do julgamento, na quarta-feira, do habeas corpus apresentado pela defesa de Lula que quer garantir ao petista o direito de permanecer em liberdade até que sejam esgotados todos os recursos da condenação a 12 anos e 1 mês de prisão, em regime fechado, pelo Tribunal Regional Federal da Quarta Região (TRF-4) no processo do tríplex do Guarujá (SP).

Questionada o que motivou o pronunciamento de Cármen Lúcia, a Secretaria de Comunicação do STF disse apenas que a presidente da corte “entende que o momento pede serenidade e decidiu gerar uma mensagem”.

No pronunciamento, Cármen Lúcia diz que “problemas resolvem-se com racionalidade, competência, equilíbrio e respeito aos direitos”.

“Superam-se dificuldades fortalecendo-se os valores morais, sociais e jurídicos. Problemas resolvem-se garantindo-se a observância da Constituição, papel fundamental conferido ao Poder Judiciário, que o vem cumprindo com rigor”, afirma.

Para a presidente do STF, “o sentimento de brasilidade deve sobrepor-se a ressentimentos ou interesses que não sejam aqueles do bem comum a todos os brasileiros”.

“A República brasileira é construção dos seus cidadãos. A pátria merece respeito. O Brasil é cada cidadão a ser honrado em seus direitos, garantindo-se a integridade das instituições, responsáveis por assegurá-los.”

Via Reuters com Reportagem de Ricarfo Brito
Às vésperas de julgamento de HC de Lula, presidente do STF pede serenidade e diz que "violência não é justiça" Às vésperas de julgamento de HC de Lula, presidente do STF pede serenidade e diz que "violência não é justiça" Reviewed by Ricardo Adriano on abril 02, 2018 Rating: 5

Teste Teste Teste Teste

Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste