Liturgia da Palavra de hoje (8)

Primeira Leitura (At 16,22-34)
Leitura dos Atos dos Apóstolos.
Naqueles dias, 22a multidão dos filipenses levantou-se contra Paulo e Silas; e os magistrados, depois de lhes rasgarem as vestes, mandaram açoitar os dois com varas. 23Depois de açoitá-los bastante, lançaram-nos na prisão, ordenando ao carcereiro que os guardasse com toda a segurança. 24Ao receber essa ordem, o carcereiro levou-os para o fundo da prisão e prendeu os pés deles no tronco.
25À meia-noite, Paulo e Silas estavam rezando e cantando hinos a Deus. Os outros prisioneiros os escutavam. 26De repente, houve um terremoto tão violento que sacudiu os alicerces da prisão. Todas as portas se abriram e as correntes de todos se soltaram. 27O carcereiro acordou e viu as portas da prisão abertas. Pensando que os prisioneiros tivessem fugido, puxou da espada e estava para suicidar-se. 28Mas Paulo gritou com voz forte: “Não te faças mal algum! Nós estamos todos aqui”.
29Então o carcereiro pediu tochas, correu para dentro e, tremendo, caiu aos pés de Paulo e Silas. 30Conduzindo-os para fora, perguntou: “Senhores, que devo fazer para ser salvo?” 31Paulo e Silas responderam: “Crê no Senhor Jesus, e sereis salvos tu e todos os de tua família”.
32Então Paulo e Silas anunciaram a Palavra do Senhor ao carcereiro e a todos os de sua família. 33Na mesma hora da noite, o carcereiro levou-os consigo para lavar as feridas causadas pelos açoites. E, imediatamente, foi batizado junto com todos os seus familiares. 34Depois fez Paulo e Silas subirem até sua casa, preparou-lhes um jantar e alegrou-se com todos os seus familiares por ter acreditado em Deus.
- Palavra do Senhor.
- Graças a Deus.

Responsório (Sl 137)
— Ó Senhor, me estendeis o vosso braço e me ajudais.
— Ó Senhor, me estendeis o vosso braço e me ajudais.
— Ó Senhor, de coração eu vos dou graças, porque ouvistes as palavras dos meus lábios! Perante os vossos anjos vou cantar-vos e ante o vosso templo vou prostrar-me.
— Eu agradeço vosso amor, vossa verdade, porque fizestes muito mais que prometestes; naquele dia em que gritei, vós me escutastes e aumentastes o vigor da minha alma.
— Estendereis o vosso braço em meu auxílio e havereis de me salvar com vossa destra. Completai em mim a obra começada; ó Senhor, vossa bondade é para sempre! Eu vos peço: não deixeis inacabada esta obra que fizeram vossas mãos!

Evangelho (Jo 16,5-11)
— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 5“Agora, parto para aquele que me enviou, e nenhum de vós me pergunta: ‘Para onde vais?’ 6Mas, porque vos disse isto, a tristeza encheu os vossos corações. 7No entanto, eu vos digo a verdade: É bom para vós que eu parta; se eu não for, não virá até vós o Defensor; mas, se eu me for, eu vo-lo mandarei. 8E quando vier, ele demonstrará ao mundo em que consistem o pecado, a justiça e o julgamento: 9o pecado, porque não acreditaram em mim; 10a justiça, porque vou para o Pai, de modo que não mais me vereis; 11e o julgamento, porque o chefe deste mundo já está condenado”.
— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

Homilia
Jesus nos promete o Espírito da Verdade, o Espírito que advoga em favor do Reino de Deus. Jesus promete que virá nos defender.
O Espírito Santo não é o acusador desse mundo. Na verdade, Ele é o defensor da nossa alma, da nossa dignidade de filhos de Deus. Por isso, precisamos nos permitir ser defendidos, protegidos, iluminados e guiados por Ele. O Espírito nos defende do ataque do maligno.
O espírito adverso é o acusador. O Espírito de Deus é o defensor, e coloca-se ao lado de nossas fraquezas e fragilidades. O espírito acusador puxa-nos para baixo, arranca o pior de nós e faz-nos cair na depressão, no sentimento de culpa, no fracasso; ele nos acusa de nossos pecados o tempo inteiro e faz de nós pessoas acusadoras.
A grande fraqueza das relações humanas é viver no espírito da acusação. Por exemplo: convivemos com uma pessoa há tanto tempo e passamos o resto da vida acusando-a de seus erros e fracassos das coisas que não deram certo. Os amigos acusam uns aos outros, os casais vivem se acusando, os pais acusam os filhos e os filhos acusam os pais.
O espírito da acusação vem de forma demoníaca, porque as pessoas vivem acusando umas as outras. Esse espírito não é de Deus nem é santo. O Espírito que vem de Deus nos defende do mundo, vem em nosso socorro e nos mostra no que consiste o pecado. O pecado é não crer em Jesus nem levar a vida em nome d’Ele ou a justiça de não acolhê-Lo.
Os únicos julgados desse mundo são aqueles que se condenam, porque não acolhem a verdade salvadora de Jesus. Precisamos do Espírito de Deus em nós, Espírito Amigo, Consolador, Defensor que perscruta as nossas fraquezas mais profundas para curar-nos, libertar-nos, restaurar-nos e fortalecer-nos.
“Espírito amigo, venha em nosso socorro, em nosso auxílio, e não nos deixeis à mercê do inimigo, que nos destrói e que nos quer destruindo uns aos outros. Espírito amigo, vinde em nosso socorro, vinde em nosso auxílio”.
Deus abençoe você!Jesus nos promete o Espírito da Verdade, o Espírito que advoga em favor do Reino de Deus. Jesus promete que virá nos defender.
O Espírito Santo não é o acusador desse mundo. Na verdade, Ele é o defensor da nossa alma, da nossa dignidade de filhos de Deus. Por isso, precisamos nos permitir ser defendidos, protegidos, iluminados e guiados por Ele. O Espírito nos defende do ataque do maligno.
O espírito adverso é o acusador. O Espírito de Deus é o defensor, e coloca-se ao lado de nossas fraquezas e fragilidades. O espírito acusador puxa-nos para baixo, arranca o pior de nós e faz-nos cair na depressão, no sentimento de culpa, no fracasso; ele nos acusa de nossos pecados o tempo inteiro e faz de nós pessoas acusadoras.
A grande fraqueza das relações humanas é viver no espírito da acusação. Por exemplo: convivemos com uma pessoa há tanto tempo e passamos o resto da vida acusando-a de seus erros e fracassos das coisas que não deram certo. Os amigos acusam uns aos outros, os casais vivem se acusando, os pais acusam os filhos e os filhos acusam os pais.
O espírito da acusação vem de forma demoníaca, porque as pessoas vivem acusando umas as outras. Esse espírito não é de Deus nem é santo. O Espírito que vem de Deus nos defende do mundo, vem em nosso socorro e nos mostra no que consiste o pecado. O pecado é não crer em Jesus nem levar a vida em nome d’Ele ou a justiça de não acolhê-Lo.
Os únicos julgados desse mundo são aqueles que se condenam, porque não acolhem a verdade salvadora de Jesus. Precisamos do Espírito de Deus em nós, Espírito Amigo, Consolador, Defensor que perscruta as nossas fraquezas mais profundas para curar-nos, libertar-nos, restaurar-nos e fortalecer-nos.
“Espírito amigo, venha em nosso socorro, em nosso auxílio, e não nos deixeis à mercê do inimigo, que nos destrói e que nos quer destruindo uns aos outros. Espírito amigo, vinde em nosso socorro, vinde em nosso auxílio”.
Deus abençoe você!
Liturgia da Palavra de hoje (8) Liturgia da Palavra de hoje (8) Reviewed by Ricardo Adriano on maio 08, 2018 Rating: 5

Nenhum comentário

Teste Teste Teste Teste

Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste