França na final: a terceira geração rumo ao bi

Franceses comemoram vitória contra a Bélgica na semifinal da Copa (Henry Romero/Reuters)
O rótulo de “ótima geração” é justo para a Bélgica, pelo planejamento de mais de uma década que a trouxe à semifinal da Copa do Mundo da Rússia, contra a França. Mas pesou a camisa que já tem um título mundial (em 1998) e que pode considerar que está em sua terceira versão de grandes jogadores. Os franceses superaram os belgas por 1 a 0 e estarão na grande final no domingo, 15 de julho, no estádio Lujniki, em Moscou, ao meio-dia.

A primeira boa geração francesa, que de fato sonhou com um título mundial, foi a de Michel Platini, nos anos 1980 — houve o time de Just Fontaine, com seus treze gols em 1958, mas não foi páreo para Pelé e Garrincha na mesma fase. Quarto lugar no Mundial de 1982 e campeã da Eurocopa de 1984, a França eliminou o Brasil nas quartas da Copa de 1986 e chegou à semifinal, quando foi derrotada pela Alemanha. O goleiro Bats (algoz de Zico) era o Lloris da época — e como o atual camisa 1 foi eficiente contra os belgas, quando necessário. Havia um jovem lateral-direito, Amoros, eficiente tal qual Pavard tem sido em gramados russos.

A segunda geração, até prove-se o contrário, foi a melhor. Campeã do mundo em 1998, fazendo valer o fator anfitriã, e vencedora da Eurocopa de 2000 — a Copa das Confederações de 2001 foi o último brinde. Zidane era o Platini da vez. Thierry Henry, o veloz atacante como hoje é o menino Mbappé — e nessas deliciosas ironias do futebol, Henry estava no lado belga, como assistente técnico de Roberto Martinez, que perdeu o duelo com o colega Didier Deschamps. O comandante francês, aliás, era o volante e capitão no título de duas décadas atrás e poderá se tornar o terceiro da história a ser campeão como jogador e treinador, ao lado do brasileiro Zagallo e do alemão Beckenbauer.

Chegamos a 2018 e a França colhe belos frutos nessa terceira safra de talentos. Jovens como a dupla de zaga Varane (que inaugurou a vitória sobre o Uruguai, nas quartas) e Umtiti (herói desta semifinal, também marcando de cabeça), herdeiros do talento de Blanc, o “xerife” de 1998 e igualmente autor de gol decisivo, nas oitavas contra o Paraguai. O novo Tigana é Pogba e Griezmann, humildemente, assume o bastão de jogador criativo, na sequência de Platini e Zidane.

Vencedora da “final antecipada”, a França segue para a decisão como favorita, independentemente do adversário, Croácia ou Inglaterra. Bateu uma valorosa Bélgica, que mais uma vez se reinventou taticamente, de acordo com o adversário, fez um primeiro tempo melhor, mas sucumbiu a equivalente talento. Além da habilidade, os franceses têm vigor físico e velocidade. Uma juventude atrevida que pede passagem. Depois do vice-campeonato europeu em 2016, pode escrever um segundo capítulo precocemente apoteótico. Imagine o epílogo.

Ponto alto

O duelo de goleiros foi interessantíssimo. Dois protagonistas da liga inglesa: Lloris, do Tottenham, e Courtois, do Chelsea. Por causa deles o placar se conteve na vitória mínima da França.

Ponto baixo

O centroavante francês Giroud vive uma “síndrome de Gabriel Jesus”: apesar da bem executada função tática, segue sem anotar um gol no Mundial. Irá desencantar na decisão?

Ficha do jogo

França 1 x 0 Bélgica

Local: estádio de São Petersburgo. Árbitro: Andrés Cunha (URU). Público: 64.286. Gol: Umtiti, aos 6 do segundo tempo.

França: Lloris; Pavard, Varane, Umtiti e Hernández; Kanté, Pogba e Matuidi (Tolisso); Mbappé, Griezmann e Giroud (N’Zonzi). Técnico: Didier Deschamps.

Bélgica: Courtois; Chadli (Batshuayi), Alderweireld, Kompany e Vertonghen; Witsel e Dembélé (Mertens); Hazard, Fellaini (Carrasco) e De Bruyne; Lukaku. Técnico: Roberto Martínez.
França na final: a terceira geração rumo ao bi França na final: a terceira geração rumo ao bi Reviewed by Ricardo Adriano on julho 10, 2018 Rating: 5

Nenhum comentário

Teste Teste Teste Teste

Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste