Liturgia da Palavra de hoje (31)

Primeira Leitura (1Cor 1,17-25)
Leitura da Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios
Irmãos, 17de fato, Cristo não me enviou para batizar, mas para pregar a Boa Nova da salvação, sem me valer dos recursos da oratória, para não privar a cruz de Cristo da sua força própria. 18A pregação a respeito da cruz é uma insensatez para os que se perdem, mas para os que se salvam, para nós, ela é poder de Deus.
19Com efeito, está escrito: “Destruirei a sabedoria dos sábios e frustrarei a perspicácia dos inteligentes”. 20Onde está o sábio? Onde o mestre da Lei? Onde o questionador deste mundo? Acaso Deus não mostrou a insensatez da sabedoria do mundo? 21De fato, na manifestação da sabedoria de Deus, o mundo não chegou a conhecer Deus por meio da sabedoria; por isso, Deus houve por bem salvar os que creem por meio da insensatez da pregação.
22Os judeus pedem sinais milagrosos, os gregos procuram sabedoria; 23nós, porém, pregamos Cristo crucificado, escândalo para os judeus e insensatez para os pagãos. 24Mas para os que são chamados, tanto judeus como gregos, esse Cristo é poder de Deus e sabedoria de Deus. 25Pois o que é dito insensatez de Deus é mais sábio do que os homens, e o que é dito fraqueza de Deus é mais forte do que os homens.
- Palavra do Senhor.
- Graças a Deus.

Responsório (Sl 32)
— Transborda em toda a terra a bondade do Senhor!
— Transborda em toda a terra a bondade do Senhor!
— Ó justos, alegrai-vos no Senhor! Aos retos fica bem glorificá-lo. Dai graças ao Senhor ao som da harpa, na lira de dez cordas celebrai-o!
— Pois reta é a palavra do Senhor, e tudo o que ele faz merece fé. Deus ama o direito e a justiça, transborda em toda a terra a sua graça.
— O Senhor desfaz os planos das nações e os projetos que os povos se propõem. Mas os desígnios do Senhor são para sempre, e os pensamentos que ele traz no coração, de geração em geração, vão perdurar.

Evangelho (Mt 25,1-13)
— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos esta parábola: 1“O Reino dos Céus é como a história das dez jovens que pegaram suas lâmpadas de óleo e saíram ao encontro do noivo. 2Cinco delas eram imprevidentes, e as outras cinco eram previdentes.
3As imprevidentes pegaram as suas lâmpadas, mas não levaram óleo consigo. 4As previdentes, porém, levaram vasilhas com óleo junto com as lâmpadas. 5O noivo estava demorando e todas elas acabaram cochilando e dormindo. 6No meio da noite, ouviu-se um grito: ‘O noivo está chegando. Ide a seu encontro!’ 7Então as dez jovens se levantaram e prepararam as lâmpadas. 8As imprevidentes disseram às previdentes: ‘Dai-nos um pouco de óleo, porque nossas lâmpadas estão se apagando’.
9As previdentes responderam: ‘De modo nenhum, porque o óleo pode ser insuficiente para nós e para vós. É melhor irdes comprar aos vendedores’. 10Enquanto elas foram comprar óleo, o noivo chegou, e as que estavam preparadas entraram com ele para a festa de casamento. E a porta se fechou. 11Por fim, chegaram também as outras jovens e disseram: ‘Senhor! Senhor! Abre-nos a porta!’ 12Ele, porém, respondeu: ‘Em verdade eu vos digo: Não vos conheço!’ 13Portanto, ficai vigiando, pois não sabeis qual será o dia, nem a hora”.
— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

Homilia
A parábola maravilhosa das moças previdentes e imprevidentes mostra-nos como nos comportamos nesta vida. Previdente é aquele que é prudente, é aquele que se previne, que se cuida e está preparado para as circunstâncias imprevistas da vida.
No mundo em que vivemos, onde a cultura do improviso cresce cada vez mais e toma conta da sociedade, onde estamos aprendendo a improvisar tudo e não nos leva a organizar nada, leva-nos a estar despreparados para viver, relacionar-nos e cuidarmos das coisas. Se isso nos remete a situação final, ao juízo final, ao nosso encontro final com Deus, esse encontro final nos traz de volta para as circunstâncias próprias da vida. Todos nós precisamos ser prudentes e prevenidos para as circunstâncias adversas da vida.
Quem está trabalhando tem que estar preparado, muitas vezes, para ficar desempregado; quem tem dinheiro hoje, tem de estar preparado para não ter dinheiro; quem está bem de saúde, hoje, tem de estar bem preparado para a situação de ficar doente. Preparar e cuidar é diferente de ter medo, de ter aqueles excessos de preocupações, aliás, ‘cuidado’ não é sinônimo de preocupação, cuidado é aquele que se cuida antecipadamente para não precisar se preocupar tardiamente com as situações que não cuidamos de forma antecipada.
Precisamos vencer essa cultura do improviso, de lidar com as coisas só quando elas estão alarmantes e assim por diante. Não precisamos ficar diabéticos para entender que o excesso de açúcar ou de outros elementos fazem mal para a nossa saúde. Precisamos nos prevenir, não podemos esperar que chegue numa circunstância grave para pararmos de fumar.
Precisamos sair dessa cultura de que só nos alertamos com as coisas quando chegamos no vermelho. O importante é que enquanto o sinal estiver verde, preparemo-nos, porque ele pode ficar amarelo, e o vermelho não nos surpreenda. Por isso, ser vigilante é saber ser previdente, prudente, é cuidar e não se deixar levar pelos excessos.
Quem muito tem hoje, amanhã pode ter muito pouco, mas se o pouco que temos hoje soubermos cuidar de forma prudente, determinante, previdente, sempre teremos cuidado para cada circunstância da vida.
Não vivamos preocupados com o amanhã, mas nos cuidemos, hoje, para amanhã também sabermos cuidar de nós. Essa é a espiritualidade do cuidado, porque Deus quer que nos cuidemos a cada dia.
Deus abençoe você!
Liturgia da Palavra de hoje (31) Liturgia da Palavra de hoje (31) Reviewed by Ricardo Adriano on agosto 31, 2018 Rating: 5

Nenhum comentário

Teste Teste Teste Teste

Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste Teste