Adbox
Tecnologia do Blogger.

Associação aumenta para R$ 12 mil recompensa por informações sobre grupo suspeito de morte de PM

O cabo da PM Ildônio José da Silva foi morto no
último dia 16 de agosto na RN 117

Subiu para R$ 12 mil a recompensa para quem informar o paradeiro do grupo envolvido na morte do Cabo da Polícia Militar Ildônio José da Silva, de 43 anos, no último dia 16 de agosto. O PM estava em um ônibus universitário e se deslocava para Mossoró, quando homens fortemente armados interceptaram o veículo e executaram. A recompensa começou em R$ 1 mil e subiu até chegar a R$ 11.600 no último dia 5 deste mês. 

As informações são da assessoria de comunicação da Associação de Praças do Rio Grande do Norte.

De acordo com a entidade, ainda são procurados Vantuir de Lima, Danilo da Silva Fernandes, Wilhiam Bezerra de Lima, vulgo Belo das Mirandas, Judson Rodrigues Vieira, conhecido como Juca Ladrão, Lucivan Dantas, o Rabicó, e Antonio Alcivan Fernandes Júnior, vulgo Juninho Mangueira.

Segundo a associação, os números que a população pode informar o paradeiro dos suspeitos são: Disque Denúncia: 181 ou 98132 6057 (Whatsapp), Delegacia de Caraúbas: 33372305 e Polícia Militar: 190 ou 996805322. A entidade garante sigilo.


No documento, o MPRN pede que ele seja acionado judicialmente pela prática dos atos infracionais análogos aos crimes de integrar organização criminosa, latrocínio e roubo em continuidade delitiva, com aplicação de medida socioeducativa. A Promotoria de Justiça de Caraúbas reforçou que a medida a ser aplicada seja a que se revelar mais adequada nas alegações finais do processo.

No dia 16 de agosto, os denunciados e um adolescente mataram o policial José Ildonio da Silva, na intenção de roubar a arma de fogo da vítima. Ele estava no ônibus que realiza o transporte dos estudantes universitários de Caraúbas. Os criminosos portavam espingardas, pistolas e armas de calibre 12 e efetuaram roubos de celulares, joias, carregadores, notebooks e dinheiro pertencentes às pessoas que estavam no interior do ônibus no momento do crime.


Já no dia 5 deste mês, Kauã Bruno Ferreira de Lima, mais conhecido como Cocada, morreu em confronto com a Polícia Militar. Cocada foi localizado entre os bairros Leandro Bezerra e Alto da Liberdade, em Caraúbas. Ele tentou fugir. Houve troca de tiros. O suspeito foi baleado e socorrido para o hospital da cidade. O homem não resistiu aos ferimentos e morreu.


Na tarde do dia 24 de agosto, Rosilene Araújo de Oliveira, 55 anos, e Aysla Melquíades Oliveira, 23 anos, foram presas. Elas são suspeitas de dar apoio a quadrilha que matou o Cabo Ildônio. Segundo a polícia, Rosilene Araújo é a mãe de Aleilson Melquiades de Oliveira, 18 anos, preso acusado de participar do assassinato do policial e de Acleilson Melquiades de Oliveira, conhecido como Paulista, solto há poucos dias.

A prisão de mãe e filha ocorreu em cumprimento a mandados judiciais. Ambas estão sendo investigadas no inquérito instaurado pela autoridade policial que apura o assassinato do PM Ildônio. Elas foram encaminhadas para o sistema prisional e ficarão à disposição da Justiça.

O policial militar Ildonio José da Silva, 43 anos, foi morto a tiros na noite desta quinta-feira, 16, durante um assalto ao ônibus de estudantes. O assalto aconteceu na RN 117 entre Caraúbas e Governador Dix-Sept Rosado.


As buscas aos acusados de participação na morte do PM foram iniciadas logo nas primeiras horas da sexta-feira (17). O trabalho policial com um efetivo reforçado de policiais civis e militares, incluindo equipes do Grupo Tático Operacional (GTO); além do apoio de um helicóptero na procura dos criminosos pela região, principalmente em estradas de barro que cortam a área.

O corpo do cabo da Polícia Militar Ildônio José da Silva foi enterrado no final da tarde da tarde do dia 17, em Mossoró.

No domingo, 19 de agosto, uma mulher foi presa suspeita de fazer parte da quadrilha que executou a tiros o policial militar.

Já na terça-feira, dia 21, mais um acusado de envolvimento na morte do PM foi preso. O acusado foi identificado como Talyson Dantas da Silva, 22 anos. Ele foi preso em sua residência no bairro Leandro Bezerra, em Caraúbas. Segundo a polícia, o homem faz parte do grupo criminoso e participação dele é na logística de fugas e apoio de comida para integrantes do bando. Talyson Dantas foi levado para a Delegacia de Polícia de Caraúbas.

Letícia Hellen Gouveia dos Santos, 21 anos, foi presa nesta quarta-feira, 22, em Caraúbas. De acordo com a polícia, a jovem teria dado abrigo a Vantuir Lima, um dos executores do PM Ildônio José da Silva.

Presos no caso Ildônio:

1 - Aleilson Melquiades de Oliveira, 18 anos,
2 - Luiz Felipe de Lima, 18 anos,
3 - Nelson Gomes Fonseca
4 - Kleison Yuri da Silva, Kleison Yuri
5 - Antônio Moab Pimenta Medeiros, de 27 anos
6 - Grécia Teodora Gurgel de Medeiros, de 21 anos
7 - Talyson Dantas da Silva, de 22 anos
8 - Letícia Hellen Gouveia dos Santos,de 21 anos
9 - Adolescente apreendido entregue as autoridades
10 - Rosilene Araújo de Oliveira, 55 anos
11 - Aysla Melquíades Oliveira, 23 anos
12- T. R. P. S.

Morto:

1- Kauã Bruno Ferreira de Lima, mais conhecido como Cocada
Share on Google Plus

Sobre Ricardo Adriano

Sou pedagogo de formação, amo música, livros, poesias, trabalho com jardinagem e tudo um pouco, já fiz "um pouco". Sou amante da vida, da informação, das notícias que são levadas a você leitor (a). Estamos aqui para interagir. Obrigado por acessar este espaço.

0 comentários: