Adbox
Tecnologia do Blogger.

Homens vítimas de assalto vão participar de pesquisa sobre transtorno no Instituto do Cérebro da UFRN

Estudo sobre Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT) contará com voluntários de 18 a 55 anos. Participantes diagnosticados vão receber atendimento gratuito por dois meses.


Instituto do Cérebro da UFRN
Homens com idade entre 18 e 55 anos que foram vítimas de assalto a mão armada serão alvo de uma pesquisa feita em Natal pelo Instituto do Cérebro da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. O estudo com os voluntários vai avaliar sintomas de Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT), causado pela violência.
De acordo com o instituto, o distúrbio se caracteriza por um conjunto de sinais e sintomas físicos, psíquicos e emocionais em decorrência de um trauma e é bastante comum. Por isso, o Laboratório de Endocrinologia Comportamental do Instituto do Cérebro, abriu inscrições para homens que tenham sido vítimas de assalto a mão armada para participar da pesquisa, com objetivo de ajudá-los a superar ou descobrir a evidência do problema.
Com o título “Análise dos sintomas clínicos e de marcadores biológicos associados à intervenção pela técnica de Experiência Somática (SE) no tratamento do Transtorno de Estresse Pós-Traumático em vítimas de assalto na cidade de Natal-RN”, a pesquisa investiga as contribuições da intervenção corporal utilizando uma técnica de experiência somática. O estudo é conduzido pela psicóloga, estudante de doutorado, Ana Kelly Almeida, que trabalha com psicologia somática.
Os interessados poderão procurar a sala do PesqClin, no 2º subsolo do Hospital Universitário Onofre Lopes (HUOL) nos dias 12, 19 e 26 de novembro e 3 de dezembro, das 9h às 12h30 e das 13h30 às 16h30. Para se enquadrar nos requisitos da pesquisa, além da idade entre 18 e 55 anos, o trauma tem de ter acontecido há mais de 30 dias.
Após triagem, caso haja diagnóstico confirmado, os participantes receberão atendimento psicológico gratuito durante dois meses.

Share on Google Plus

Sobre Ricardo Adriano

Sou pedagogo de formação, amo música, livros, poesias, trabalho com jardinagem e tudo um pouco, já fiz "um pouco". Sou amante da vida, da informação, das notícias que são levadas a você leitor (a). Estamos aqui para interagir. Obrigado por acessar este espaço.

0 comentários: